Postagem em destaque

Slow Motion Bossa Nova - Celso Fonseca & Ronaldo Bastos

Encante-se ...!

sábado, 17 de maio de 2014

"As locomotivas estavam prontas para partir, mas alguém torceu uma das alavancas e elas se foram na direção oposta" (Oswald de Andrade)

Arnaldo Jabor
Início do conteúdo

O Brasil está com ódio de si mesmo

06 de maio de 2014 | 2h 07
Arnaldo Jabor - O Estado de S.Paulo
O Brasil está irreconhecível. Nunca pensei que a incompetência casada com o delírio ideológico promoveria este caos. Há uma mutação histórica em andamento. Não é uma fase transitória; nos últimos 12 anos, os donos do poder estão a criar um sinistro "espírito do tempo" que talvez seja irreversível. A velha "esquerda" sempre foi um sarapatel de populismo, getulismo tardio, leninismo de galinheiro e agora um desenvolvimentismo fora de época. A velha "direita", o atraso feudal de nossos patrimonialistas, sempre loteou o Estado pelos interesses oligárquicos.
A chegada do PT ao governo reuniu em frente única os dois desvios: a aliança das oligarquias com o patrimonialismo do Estado petista. Foi o pior cenário para o retrocesso a que assistimos.
Antes dessa terrível dualidade secular, a mudança de agenda do governo FHC por sorte criou um pensamento mais "presentista", começando com o fim da inflação, com a ideia de que a administração pública é mais importante que utopias, de que as reformas do Estado eram fundamentais. Medidas simples, óbvias, indutivas, tentaram nos tirar da eterna "anestesia sem cirurgia". Foi o Plano Real que tirou 28 milhões de pessoas da pobreza e não este refrão mentiroso que os petistas repetem sobre o Bolsa Família ou sobre o PAC imaginário.
Foi um período renegado pelo PT como "neoliberal" ou besteiras assim, mas deixou, para nossa sorte, algumas migalhas progressistas.
Tudo foi ignorado e substituído pelo pensamento voluntarista de que "sujeitos da história" fariam uma remodelagem da realidade, de modo a fazê-la caber em suas premissas ideológicas. Aí começou o desastre que me lembra a metáfora de Oswald de Andrade, de que "as locomotivas estavam prontas para partir, mas alguém torceu uma alavanca e elas partiram na direção oposta".
Isso causa não apenas o caos administrativo com a infraestrutura morta, como também está provocando uma mutação na psicologia e no comportamento das pessoas. O Brasil está sendo desfigurado dentro de nossas cabeças, o imaginário nacional está se deformando.
Há uma grande neurose no ar. E isso nos alarma como a profecia de Lévi-Strauss de "que chegaríamos à barbárie sem conhecer a civilização". Cenas como os 30 cadáveres ao sol no pátio do necrotério de Natal, onde os corpos são cortados com peixeiras, fazem nossa pele mais dura e o coração mais frio. Defeitos e doçuras do povo, que eram nossa marca, estão dando lugar a sentimentos inesperados, dores nunca antes sentidas. Quais são os sintomas mais visíveis desse trauma histórico?
Por exemplo, o conceito de solidariedade natural, quase 'instintiva', está acabando. Já há uma grande violência do povo contra si mesmo.
Garotos decapitam outros numa prisão, ônibus são queimados por nada, com os passageiros dentro, meninas em fogo, presos massacrados, crianças assassinadas por pais e mães, uma revolta sem rumo, um rancor geral contra tudo. O Brasil está com ódio de si mesmo. Cria-se um desespero de autodestruição e o País começa a se atacar.
Outro nítido efeito na cabeça das pessoas é o fatalismo: "É assim mesmo, não tem jeito não". O fatalismo é a aceitação da desgraça. E vêm a desesperança e a tristeza. O Brasil está triste e envergonhado.
Outro sintoma claro é que as instituições democráticas estão sem força, se desmoralizando, já que o próprio governo as desrespeita. Essa fragilização da democracia traz de volta um desejo de autoritarismo na base do "tem de botar para quebrar!". Já vi muito chofer de táxi com saudades da ditadura.
A influência do petismo também recriou a cultura do maniqueísmo: o mal está sempre no outro. Alguém é culpado disso tudo, ou seja, a 'media conservadora' e a oposição.
A ausência de uma política contra a violência e a ligação de muitos políticos com o tráfico estimula a organização do crime, que comanda as cadeias e já demonstra uma busca explícita do horror. A crueldade é uma nova arte incorporada em nossas cabeças, por tudo que vemos no dia a dia dos jornais e TV. Ninguém mata mais sem tortura. O horror está ficando aceitável, potável.
O desgoverno, os crimes sem solução, a corrupção escancarada deixam de ser desvios da norma e vão criando uma nova cultura: a cultura da marginalidade, a "normalização" do crime.
Uma grande surpresa foi a condenação da Copa. Logo por nós, brasileiros boleiros. Recusaram o 'pão e circo' que Dilma/Lula bolaram, gastando mais de 30 bilhões em estádios para "impressionar os imperialistas" e bajular as massas. Pelo menos isso foi um aumento da consciência política.
Artistas e intelectuais não sabem o que pensar - como refletir sem uma ponta de esperança? Temos aí a "contemporaneidade" pessimista.
Cria-se uma indiferença progressiva e vontade de fuga. Nunca vi tanta gente falando em deixar o País e ir morar fora. As mutações mentais são visíveis: nos rostos tristes nos ônibus abarrotados, na rápida cachaça às 6 da manha dos operários antes de enfrentar mais um dia de inferno, nos feios, nos obesos, no desânimo das pessoas nas ruas, no pessimismo como único assunto em mesas de bar.
Vimos em junho passado manifestações bacanas, mas sem rumo; contra o quê? Um mal-estar generalizado e sem clareza, logo escrachado pelos black blocs, a prova estúpida de nosso infantilismo político.
É difícil botar a pasta de dente para dentro do tubo. Há uma retroalimentação da esculhambação generalizada que vai destruindo as formas de combatê-la. Tecnicamente, não estamos equipados para resolver as deformações que se acumulam como enchentes, como um rio sem foz.
E o pior é que, por trás da cultura do crime e da corrupção, consolida-se a cultura da mentira, do bolivarianismo, da preguiça incompetente e da irresponsabilidade pública.
O Brasil está sofrendo uma mutação gravíssima e nossas cabeças também. É preciso tirar do poder esses caras que se julgam os "sujeitos da história". Até que são mesmo, só que de uma história suja e calamitosa.

O pessoal do PT é 'barra pesada' / As intimidades do governo do PT/ Rosemary Noronha

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/rosemary-noronha-tentou-envolver-o-governo-em-escandalo-de-corrupcao

Rosemary Noronha fez chantagem contra o governo Dilma 

Dizendo-se abandonada, a ex-chefe do escritório da Presidência da República queria ajuda — e conseguiu

Robson Bonin
Rosemary Noronha
Rosemary Noronha
A discrição nunca foi uma característica da personalidade da ex­-chefe do gabinete da Presidência da República em São Paulo Rosemary Noronha. Quando servia ao ex-presidente Lula em Brasília, ela era temida. Em nome da intimidade com o “chefe”, como às vezes também se referia a ele, Rose fazia valer suas vontades mesmo que isso significasse afrontar superiores ou humilhar subordinados. Nos eventos palacianos, a assessora dos cabelos vermelhos e dos vestidos e óculos sempre exuberantes colecionou tantos inimigos — a primeira-da­ma não a suportava — que acabou sendo transferida para São Paulo. Mas caiu para cima. Encarregada de comandar o gabinete de Lula de 2009 a 2012, Rose viveu dias de soberana e reinou até ser apanhada pela Polícia Federal ajudando uma quadrilha que vendia facilidades no governo. Ela usava a intimidade que tinha com Lula para abrir as portas de gabinetes restritos na Esplanada. Em troca, recebia pequenos agrados, inclusive em dinheiro. Foi demitida, banida do serviço público e indiciada por crimes de formação de quadrilha e corrupção. Um ano e meio após esse turbilhão de desgraças, no entanto, a fase ruim parece ter ficado no passado. Para que isso acontecesse, porém, Rosemary chegou ao extremo de ameaçar envolver o governo no escândalo.
Em 2013, no auge das investigações, quando ainda lutava para provar sua inocência, a ex-se­cretária Rosemary procurou ajuda entre os antigos companheiros do PT — inclusive Lula, o mais íntimo deles. Desempregada, precisando de dinheiro para pagar bons advogados e com medo da prisão, ela desconfiou que seria abandonada. Lula não atendia suas ligações. O ex-ministro José Dirceu, às vésperas da fase final do julgamento do mensalão, estava empenhado em salvar a própria pele e disse que não podia fazer nada. No Palácio do Planalto, a ordem era aprofundar as investigações. Em busca de amparo, Rose concluiu que a única maneira de chamar a atenção dos antigos parceiros era ameaçar envolver figuras importantes do governo no escândalo. Mensagens de celular trocadas pela ex-secretária com pessoas próximas mostram como foi tramada a reação. Magoada com o PT por ter permitido que a Casa Civil aprofundasse as investigações sobre suas traficâncias, Rose destila ódio contra a então ministra Gleisi Hoffmann. Em uma conversa com um amigo, em abril do ano passado, desabafa: “Tão chamando a ministra da Casa Civil de Judas!!! Ela bem que merece!!!”. O interlocutor assente: “Ela vazou a porcaria toda. Vamos em frente”. Rose acreditava que o próprio Palácio do Planalto estava por trás das revelações sobre o desfecho da sindicância — “a porcaria toda” — que apontava, entre outras irregularidades, o seu enriquecimento ilícito no cargo.
Com o fundo do poço cada vez mais próximo, Rosemary decidiu arrastar para dentro do escândalo figuras centrais do Planalto e, se possível, a própria presidente Dilma Rousseff. A estratégia consistia em constranger os antigos colegas de governo pressionando-os a depor no processo que tramitava na Controladoria-Geral da União. “Quero colocar o Beto e a Erenice Guerra”, diz Rose em uma mensagem. “Você quer estremecer o chão deles?”, questiona o interlocutor. “Sim”, confirma Rose. “Porque vai bombar. Gilberto Carvalho também?”, indaga. “O.k.”, devolve ela. As autoridades que deveriam “estremecer” não foram escolhidas por acaso. Atual chefe de gabinete da presidente Dilma Rousseff, Beto Vasconcelos era na ocasião o número 2 da Casa Civil. Ao lado da ex-ministra Erenice Guerra, ele servira a Dilma no Planalto durante anos. Rose os conhecia como a palma da mão e sabia que eles tinham plena consciência do seu temperamento explosivo. A conclusão da conversa no celular, resumida pelo interlocutor, revela as reais intenções da ex-secretária: “Vai rolar muito stress... Vão bater na porta da Dilma. Vão ficar assustados”.
O plano embutia um segundo objetivo. Rosemary também queria se reaproximar de um ex-amigo em especial. Ao tentar “estremecer” o chão de Gilberto Carvalho, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência e homem de confiança de Lula, Rose tinha um propósito bem específico. Ela queria restabelecer as suas ligações com “Deus”, como a ex-sec­retária­­ costuma se referir ao ex-presidente Lula. Em outra troca de mensagens de celular, um interlocutor diz a Rose que, com a indicação das testemunhas — Gilberto Carvalho, Beto Vasconcelos e Erenice Guerra — no processo da CGU, “o momento é oportuno para aproximação com Deus...”. Mas a ex-pro­tegida de Lula se mostra cética e insatisfeita. “Vai ser difícil. Ele está com muitas viagens. Não posso depender dele”, diz Rose. Não se sabe exatamente o que aconteceu a partir daí, mas a estratégia funcionou. Um dos homens mais próximos a “Deus”, Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, cuidou pessoalmente de algumas necessidades mais imediatas da família de Rosemary durante o processo. Além de conseguir ajuda para bancar um exército de quase quarenta juristas das melhores e mais caras bancas de advocacia do país, a ex-se­cretária reformou a cobertura onde mora em São Paulo e conseguiu concretizar o antigo projeto de ingressar no mundo dos negócios.
Rosemary comprou uma franquia da rede de escolas de inglês Red Balloon. Para evitar problemas com a ficha na polícia, o negócio foi colocado no nome das filhas Meline e Mirelle e do ex-marido José Cláudio Noronha. A estratégia para despistar as autoridades daria certo não fosse por um fato. A polícia já havia apreen­dido em 2012, na casa de Rose, todo o planejamento para aquisição da franquia. Os documentos mostravam que o investimento ficaria a cargo da quadrilha que vendia influência no governo. Na época, a instalação da escola foi orçada em 690 000 reais — padrão semelhante aos valores praticados atualmente no mercado —, dinheiro que Rosemary e seus familiares não possuíam. Como, então, a família que informava ter um patrimônio modesto conseguiu reunir os recursos? Procurada por VEJA, Meline Torres, responsável pela administração da escola, informou que todos os investimentos foram realizados a partir de “economias”. “Eu trabalhei muito durante a minha vida (Meline tem 29 anos). Trabalho desde os 18 anos com registro em carteira e tenho poupança. Meu pai também está me ajudando com recursos dele, aliás, do trabalho de uma vida”, explicou. Rosemary não quis se pronunciar.   
Para ler outras reportagens compre a edição desta semana de VEJA no IBA, no tablet, no iPhone ou nas bancas.
Outros destaques de VEJA desta semana

"O mal-estar do sucesso" pode ser um eufemismo de inveja... ou um 'tiro no pé'

O Chile e a armadilha dos países de renda média

A armadilha na qual o Chile pode estar caindo é a de querer replicar um Estado de bem-estar ao estilo europeu em um país que ainda não é rico


Por muitos anos os economistas estudaram se existe uma “armadilha dos países de renda média” que explicaria por que algumas nações parecem ficar a meio caminho entre a pobreza e a prosperidade. A análise é pertinente considerando que na América Latina temos um país que, estando às vésperas do desenvolvimento, parece começar a renegar o próprio êxito.
Segundo a teoria, os países de renda média podem ver-se enredados no subdesenvolvimento ao não poder competir com as nações mais pobres em abundância de mão de obra barata nem com as mais ricas em desenvolvimento tecnológico. A ausência dessas vantagens competitivas explicaria por que as nações parecem experimentar uma queda em suas taxas de crescimento econômico quando a renda per capita nacional se encontra entre os US$ 11.000 e US$ 16.000, aproximadamente (medido em paridade de poder aquisitivo, PPA).
No entanto, como afirmara a revista The Economist em um artigo esclarecedor há um ano, a evidência empírica não parece sustentar tal tese. Embora um país possa sofrer uma desaceleração em seu ritmo de crescimento à medida que se aproxima de nações desenvolvidas, em nenhum sentido isso implica um estancamento econômico. Isso parece explicar o caso do país mais avançado da América Latina.
Com US$ 19.067 (PPA) em 2013, o Chile tem a renda per capita mais alta da América Latina. Seu êxito econômico foi acompanhado de grandes avanços sociais e institucionais: a CEPAL indica que conta com o desempenho mais impressionante em redução do nível de pobreza nos últimos 20 anos na região (de 45% em 1990 para 11% em 2011). O Chile está na frente na América Latina em desenvolvimento humano, segundo as Nações Unidas. E o World Justice Project o situa como o país com as instituições democráticas mais fortes da região – um fato destacável, pois foi a última nação da América do Sul a abandonar a ditadura militar.
O Chile alcançou o status de país de renda média em 2003. Nos 10 anos anteriores a esse marco histórico teve uma taxa média de crescimento anual de 4,6% enquanto na década seguinte a média foi de 4,7% ao ano. Não houve desaceleração. Ao contrário, segundo projeções do Fundo Monetário Internacional, para 2008 o país andino superaria o limite de US$23.000 que qualifica uma nação como “desenvolvida”.
O contínuo êxito econômico chileno se assenta em sua decidida aposta em um modelo de livre mercado. Em 1975 essa nação tinha a economia mais fechada da América Latina, de acordo com a medição dos países pelo índice de Liberdade Econômica no Mundo, publicado anualmente pelo Fraser Institute. Depois de anos de profundas reformas estruturais durante o regime de Augusto Pinochet, que posteriormente foram consolidadas e até ampliadas pelos governos democráticos de centro-esquerda, o Chile conta hoje com a economia mais aberta e moderna da região.
No entanto, o Chile bem poderia estar sofrendo de outro tipo de armadilha do desenvolvimento. A chegada ao poder de um novo governo de esquerda ocorre depois de vários anos de descontentamento social e de protestos, principalmente estudantis, que, no fundo, exigem acabar com o modelo econômico que deu origem a tanto progresso. O historiador chileno Mauricio Rojas descreve a ironia como “o mal-estar do sucesso”: uma classe média frustrada não por suas carências materiais, mas por aspirações desproporcionais de desenvolvimento. Esse inconformismo, que provocou uma radicalização da outrora pragmática esquerda chilena, se traduziu em maiores demandas redistribuitivas.
As primeiras medidas anunciadas pela presidenta Michelle Bachelet indicam que seu governo efetivamente procurará maior intervenção do Estado na economia, iniciando com uma reforma no sistema de impostos que pretende elevar a carga tributária em três pontos porcentuais do PIB. A isso se somam promessas de educação superior gratuita e subsídios a medicamentos.
A armadilha na qual o Chile poderia estar caindo é a de querer reproduzir um Estado de bem-estar social à europeia em um país que ainda não é rico. Não foi mediante altos impostos e um elevado gasto público que a Europa conseguiu o desenvolvimento. Ao contrário, como demonstra o atrofiado desempenho econômico do Velho Continente nos últimos 15 anos, até economias industrializadas como as europeias podem cair sob o peso de onerosas estruturas estatais.
Desse modo, pelo menos no caso particular do Chile, a verdadeira armadilha do desenvolvimento não se assentaria na ausência de vantagens competitivas vis-à-vis outras nações, mas sim nas expectativas desmesuradas de uma classe média que se sentiu rica antes do tempo. É muito cedo ainda para determinar se o Chile verá seu caminho em direção à prosperidade descarrilar, mas certamente sua experiência nos próximos anos servirá de lição para o restante da América Latina.
Juan Carlos Hidalgo é analista de políticas públicas sobre a América Latina no Centro para a Liberdade e Prosperidade Global do Cato Institute em Washington, D 

Um jogão ! Barcelona contra Atlético de Madrid / Faltam 3 horas para o jogo

16/05/2014 às 22h00 - Atualizado 17/05/2014
http://www.ronaldo7.net/live/barcelona-vs/watch-barcelona-live-stream.html

  

Barcelona e Atlético de Madrid decidem Espanhol neste sábado BARCELONA - Não é todo ano que um campeonato por pontos corridos tem uma 'decisão' na última rodada. Na Espanha, por exemplo, só houve dois casos assim, o último em 1951. E o terceiro será neste sábado. Depois de dominarem a briga pela liderança durante quase toda a temporada, Barcelona e Atlético de Madrid disputam o título no Camp Nou, às 13h (horário de Brasília), em um jogo em que dois atacantes brasileiros são tratados como trunfos pelos treinadores: Neymar, no Barça, e o naturalizado espanhol Diego Costa, no Atlético, ambos retornando de lesões. Líder com 89 pontos, contra 86 do Barça, o time madrilenho precisa apenas do empate para encerrar um jejum de 18 anos sem conquistar o Espanhol, e também dar fim ao domínio de dez anos da dobradinha Real Madrid-Barcelona no campeonato. Surpresa da temporada europeia - o Atlético é também finalista da Liga dos Campeões da Uefa, contra o Real -, a equipe dirigida pelo argentino Diego Simeone tem a seu favor o retrospecto recente contra o Barcelona, que ainda não conseguiu vencê-lo na temporada. Há 40 dias, no último confronto, os colchoneros eliminaram o rival catalão nas quartas de final da Liga dos Campeões, ao vencer por 1 a 0 no Vicente Calderón, depois de empatar em 1 a 1 no Camp Nou. Desde então, o Barcelona caiu de produção, teve seguidos tropeços e chegou a dar por encerrada a luta pelo título, mas os pontos perdidos dos rivais Real e Atlético recolocaram o time catalão na disputa. E chega à 'decisão' com um retrospecto favorável, por já ter saboreado um título sobre o Atlético na temporada, em agosto do ano passado, ao empatar em 0 a 0 no Camp Nou o jogo de volta da Supercopa da Espanha. No jogo de ida, Neymar garantiu, de cabeça, o empate em 1 a 1, no Vicente Calderón, e aquele gol, o primeiro do brasileiro em um jogo oficial do Barcelona, acabou valendo o título. Neymar, aliás, foi o autor dos dois únicos gols que o Barcelona marcou em cinco jogos contra o Atlético na temporada - o outro foi no 1 a 1 pela Liga dos Campeões. No primeiro turno do Espanhol, as duas equipes não saíram do 0 a 0, no Vicente Calderón. Se vencer neste sábado, o Barça empatará em pontos e ficará com a taça pelo primeiro critério de desempate, o confronto direto. Para o técnico Gerardo Martino, a disputa acirrada, depois dos anos do supertime do Barcelona de Pep Guardiola, dá um sabor especial a este Espanhol. - Pode ser o primeiro título destes jogadores em uma temporada normal, porque os outros foram coisa de extraterrestres. É um título com sofrimento, muito sofrido, isso tem muito mais a ver com futebol - declarou Tata Martino à imprensa espanhola. Neymar, talismã do Barcelona contra o Atlético, estará no banco de reservas neste sábado. Numa recuperação acelerada e surpreendente, o craque brasileiro treinou com bola durante a semana e foi relacionado para a partida, mais cedo do que a previsão inicial, quando sofreu um edema ósseo em um dedo do pé esquerdo, na derrota para o Real por 2 a 1, dia 16 de abril, pela final da Copa do Rei. A convocação do brasileiro para o jogo decisivo gerou polêmica, já que a programação do clube estimava que ele ainda estaria em fisioterapia neste período, e gera preocupação para a torcida brasileira, há menos de um mês do início da Copa do Mundo. Do outro lado, Diego Costa também foi motivo de preocupação, por causa de um problema muscular, mas está confirmado por Simeone na partida. Desta vez, se alguma seleção tem de ficar ressabiada por uma possível escalação do atacante fora das condições ideais é a espanhola. Naturalizado, Diego Costa está na lista preliminar de 30 jogadores selecionados pelo técnico da Espanha, Vicente del Bosque. - 

Diego Costa está bem. Hoje (sexta-feira) terminou de treinar sem nenhum problema, e amanhã (sábado) começará o jogo desde o início - afirmou Simeone. Veja também: Atlético de Madrid, entre a consagração máxima e o risco de nova decepção Com ou sem título, o fim de um ciclo no Barcelona 

http://www.ronaldo7.net/live/barcelona-vs/watch-barcelona-live-stream.html
Tentem este endereço para ver o jogo...

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Criminosos se aproveitam de norma da UE e pedem que retirem seus nomes da busca do Google

Pedófilo se aproveita de norma da UE e requisita que Google 'apague' seu passado

Atualizado em  16 de maio, 2014 - 10:38 (Brasília) 13:38 GMT
Google | Crédito: AP
Google não se pronunciou sobre pedidos de remoção já recebidos
Um ex-político que busca a reeleição, um pedófilo e um médico. Os três estão entre os primeiros a se aproveitar de uma recente decisão de uma corte europeia - batizada por jornais locais de "direito ao esquecimento" - e a requisitar que o Google "apague" resultados de buscas ligados a episódios específicos de seu passado.
No início da semana, o Tribunal Europeu de Justiça, sediado em Bruxelas, na Bélgica, determinou que indivíduos podem requisitar que a empresa americana remova resultados de buscas "irrelevantes e desatualizadas".
O ex-político britânico, que não foi identificado, quer a remoção de links atrelados a um artigo sobre falhas de comportamento durante seu mandato; o homem condenado por pedofilia quer apagar os registros da sua condenação; e o médico pleiteia a retirada de resenhas negativas sobre seus serviços.
O Google não se pronunciou a respeito dos pedidos de remoção já recebidos, mas descreveu a decisão da corte europeia como "decepcionante".
A empresa, sediada no Vale do Silício, na Califórnia, também não divulgou o número de pedidos de remoção recebidos desde terça-feira, quando o veredicto foi divulgado.
O caso original foi levado ao tribunal por um homem espanhol. Ele reclamou que os resultados de buscas do Google que mostravam um aviso de leilão de sua casa por falta de pagamento - uma dívida que depois foi quitada por ele - infringiam seu direito a privacidade.
A decisão do tribunal europeu causou surpresa uma vez que contradiz uma declaração do advogado-geral da União Europeia. No ano passado, ele afirmou que buscadores de internet não era obrigado a acatar tais solicitações.
A vice-presidente da Comissão Europeia, Viviane Reding, descreveu a decisão como "uma vitória clara para a proteção de dados pessoais dos europeus", mas outros demonstraram preocupação sobre as consequências que o veredicto possa acarretar para a liberdade de expressão.
O fundador do Wikipedia, Jimmy Wales, criticou a deliberação da corte, descrevendo-a como "espantosa", enquanto que defensores da liberdade de expressão do Índice de Censura afirmaram que a decisão do tribunal "provoca arrepios na espinha de todos aqueles na União Europeia que acreditam na importância fundamental da liberdade de expressão e da liberdade de informação".
"Em outras palavras, o tribunal disse que os desejos de um indivíduo superam o interesse da sociedade", acrescentou.
Para Marc Dautlich, advogado do escritório Pinsent Masons, as novas regras são difíceis de implementar pelos motores de buscas.
"O que eles vão fazer se receberem um volume gigantesco de pedidos para a retirada de informações?", questionou.
Embora o acórdão do Tribunal de Justiça da Europa envolva especificamente motores de busca e indique que apenas links – e não a informação em si – possam ser retirados da rede, a imprensa vem relatando um aumento considerável no número de pedidos de remoção após a deliberação da corte.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Capa de El País em 15/05/2014






INTERNACIONAL
POLÍTICA
ECONOMIA
CULTURA
SOCIEDADE
ESPORTES


MUNDIAL 2014
Falta entusiasmo e sobram queixas sobre a Copa nas ruas do Rio
PEDRO CIFUENTES Rio de Janeiro

A menos de um mês do Mundial, os brasileiros da cidade que vai receber sete jogos do evento não entraram no clima festivo, contrariados com os altos gastos do Governo


Protesto da ONG Rio de Paz. / SERGIO MORAES (REUTERS)
Seis de cada dez projetos prometidos não estão prontos
FREDERICO ROSAS São Paulo

O pior desempenho está nas obras de mobilidade urbana: das 35 previstas, somente quatro estão prontas até agora

O avanço do PIB alemão compensa a freada de França e Itália
EL PAÍS MADRI

A economia da zona do euro mantém seu ritmo de crescimento com 0,2% até março. Alemanha sobe 0,8% e Espanha, 0,4%
TENSÃO EM CARACAS »
O diálogo na Venezuela beira o fracasso com a saída da oposição

EWALD SCHARFENBERG Caracas

A Mesa da Unidade Democrática denuncia o "estancamento" das negociações e exige avanços ao Governo de Nicolás Maduro
CORRIDA ELEITORAL 2014
Os presidenciáveis miram o Nordeste, de olho no segundo turno
AFONSO BENITES São Paulo

Dilma Rousseff, Aécio Neves e Eduardo Campos marcam encontros na região que concentra 27% dos eleitores do Brasil

Dilma cai, mas seus opositores ainda não ganham aplausos
Um pacote de bondades revela nas entrelinhas a candidata Dilma
O mercado vende Dilma e compra Petrobras, diz especialista


Um mineiro sobrevivente é abraçado por um familiar. / B. KILIC (AFP)
A indignação pela tragédia em uma mina turca se volta contra o premiê
GRETTEL REINOSO Istambul

Um grupo de manifestantes pede a demissão de Recep Erdogan. As autoridades sustentam que 120 trabalhadores seguem presos

Ao menos 200 morrem após uma explosão em uma mina na Turquia
CRISE NA UCRÂNIA
Sete soldados ucranianos morrem numa emboscada em Donetsk
PILAR BONET Donetsk

Moscou pede à Ucrânia que defina seu modelo de Estado antes da eleição presidencial de 25 de maio

A Alemanha assume o papel de líder política na crise
Os separatistas pedem a união com a Rússia


A blogueira cubana Yoani Sánchez com seu passaporte. / ALEJANDRO ERNESTO (EFE)
A blogueira cubana Yoani Sánchez vai lançar um jornal digital
EL PAÍS México

A edição estará online partir de 21 de maio. A ativista promete fazer um jornalismo independente para Cuba

O jornal ‘The New York Times’ substitui sua diretora, Jill Abramson

MARC BASSETS Washington

O editor do diário, Sulzberger, atribui a alteração a “um problema com o gerenciamento da redação”

A diretora do ‘Le Monde’ sai após um embate com a redação
MIGUEL MORA Paris

Natalie Nougayrède estava há mais de um ano na direção. Semana passada, sete dos 11 editores do jornal se demitiram

Sete redatores-chefes do ‘Le Monde’ se demitem

Sem o Canal+, o PRISA obtém 69% do seu faturamento fora da Espanha
EL PAÍS Madri

A publicidade digital cresce 6,9% e já significa 29% do total na unidade de imprensa do grupo que edita o EL PAÍS

O PRISA aceita a oferta da Telefónica e venderá 56% do Canal+


Centenas de imigrantes sem papéis na Líbia. / SABRI ELMHEDWI (EFE)
A entrada de imigrantes sem papéis na Europa triplica em um ano
LUCÍA ABELLÁN / JAVIER CASQUEIRO Bruxelas / Madri

Desde janeiro, foram 42.000 chegadas irregulares. O conflito sírio e o descontrole na Líbia triplicam as tentativas de entrada na UE

Polícia Federal: “Desculpem, aqui só falamos português”
MARÍA MARTÍN São Paulo

A equipe da sede de São Paulo é incapaz de se comunicar com os estrangeiros. Cáritas faz a ponte com as 50 solicitações diárias

Imigrantes haitianos se espalham pelo Brasil

Nova York não quer esquecer

SANDRO POZZI Nova York

A cidade dos arranha-céus se prepara para inaugurar um museu com diversos objetos resgatados dos atentados do 11 de setembro

Obama se resigna a uma Síria sob o domínio de Bashar el Assad
MARC BASSETS Washington

A passividade dos Estados Unidos perante a guerra civil se sobrepõe ao direito de ingerência

O mediador da ONU para o conflito sírio anuncia sua demissão

A negociação nuclear entre Irã e as potências entra na fase decisiva
ÁNGELES ESPINOSA Dubai

O maior desafio é o consenso entre a capacidade de enriquecimento de urânio de Teerã e a duração das restrições


Um vigilante em uma fábrica chinesa que foi incendiada no Vietnã. / REUTERS
As ambições territoriais da China elevam a tensão na Ásia
JOSE REINOSO Pekín

A disputa pelas ilhas Paracel causa protestos violentos no Vietnã. Japão e Filipinas também temem Pequim

A América Central é uma fábrica de presidentes suspeitos
JOSÉ MELÉNDEZ Ciudad de Panamá

Dos 32 homens e mulheres que governaram países da região entre 1990 e 2010, há 13 suspeitos de se beneficiarem do poder

A polícia retira o ex-presidente Zelaya do Parlamento de Honduras
AGÊNCIAS Tegucigalpa

O ex-mandatário, que protestava contra uma norma interna, foi desalojado com os deputados de seu partido a socos e empurrões
PETRÓLEO
A Justiça argentina investiga se Kirchner beneficiou a Chevron

FRANCISCO PEREGIL Buenos Aires

A Câmara Federal de Buenos Aires retoma uma denúncia contra o acordo entre o Governo e a petroleira para a exploração de Vaca Muerta

Chile e Argentina se aproximam com a volta de Bachelet ao Governo

O homem da bicicleta que quer a presidência da Colômbia

ELIZABETH REYES L. Bogotá

Enrique Peñalosa, o terceiro colocado na pesquisa colombiana, afasta-se dos escândalos entre Santos e o candidato de Uribe

Uma mulher confessa que matou a política espanhola por rancor
LUIS GÓMEZ / JORGE A. RODRÍGUEZ León / Madri

Uma policial entregou o revólver que sua amiga, demitida pela vítima do crime, havia deixado em seu carro

Uma política espanhola é morta a tiros no meio da rua

A justiça manda Oscar Pistorius passar por um exame psiquiátrico

MARTA RODRÍGUEZ Johanesburgo

O promotor pede a prova depois de ouvir o depoimento de uma psiquiatra contratada pela defesa, que diz que o atleta padece de uma desordem mental

A OMS pede “medidas urgentes” no combate ao coronavírus
JAIME PRATS Valência

O órgão internacional destaca a falta de evidência de contágio entre os humanos. Desde 2012, morreram 141 infectados


Trabalhadores de uma fábrica da Samsung na Coreia do Sul. / BLOOMBERG
Samsung oferece uma compensação a seus trabalhadores com leucemia

O vice-presidente da empresa admite que alguns ex-empregados têm câncer. As famílias atribuem a doença a produtos químicos

Estas mulheres fazem a América Latina avançar
ALEJANDRA AGUDO Madri

São professoras, economistas, cozinheiras e publicitárias, reconhecidas por lutar pela igualdade e equidade em seus países


OPINIÃO

O mundo se encontra no Brasil
LUIZ INACIO LULA DA SILVA

O país está preparado, dentro e fora de campo, para realizar uma boa Copa do Mundo – e vai fazê-lo

A Congregação do Mal
JORGE F. HERNÁNDEZ

Yusuf e seus seguidores se tornaram terroristas contra qualquer forma daquilo que chamam de educação e cultura ocidentais

Postais da Venezuela
MOISÉS NAÍM

Relatório do Human Rights Watch constata violações dos direitos humanos

COLUNAS

O Brasil cansou de ser o “país do futuro”?
JUAN ARIAS

A revolução silenciosa que explodiu no país pode ser um presságio de tormentas

Denunciados pela linguagem
ELIANE BRUM

Ao exaltarmos a inocência de Fabiane como principal razão para que ela não fosse assassinada, somos culpados

O Brasil para inglês ver (final)
LUIZ RUFFATO

Mais informações sobre o Brasil, que receberá 600.000 torcedores na Copa

ENTREVISTA DIGITAL
Converse com Bernardo Marín


O responsável pela edição digital do EL PAÍS responde às perguntas sobre os novos desafios da Internet AO VIVO


TECNOLOGIA


Os latino-americanos tiveram nota 4,37 no Índice da Banda Larga. / EFE
O Chile e o Brasil têm a melhor banda larga da América Latina
JOAN FAUS Washington

A região reduz ligeiramente o atraso em relação à OCDE na implementação da internet

FUTEBOL


Os jogadores do Sevilla comemoram o título. / ARMANDO BABANI (EFE)
O goleiro Beto coroa um Sevilla épico na Liga Europa
RAFAEL PINEDA Turim

O time de Emery obtém seu quarto título europeu após superar o Benfica nos pênaltis. O goleiro decide o duelo

Capa do The Guardian em 15/05/2014

Brazil

Top story

Most recent

1-15 of 2245 for Brazil