quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Más informações de assuntos ligados ao governo ... agora na Caixa Econômica Federal, BNDES / G1



10/09/2015 19h13 - Atualizado em 10/09/2015 19h15

Além de prêmios lotéricos, quadrilha fraudava financiamentos, diz PF

Entre crimes, estava uso ilegal de cartões do BNDES e Construcard.
Ex-jogador é suspeito; 54 mandados são cumpridos em GO, DF e 3 estados.

Vitor SantanaDo G1 GO
Polícia Federal investiga quadrilha que fraudava pagamento de prêmios de loteria em Goiânia, Goiás (Foto: Vitor Santana/G1)Polícia Federal investiga se quadrilha agia em outras áreas (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
A quadrilha investigada por fraude nos pagamentos de prêmios de loterias da Caixa Econômica Federal também roubava senhas e dados bancários e fraudava finaciamentos, segundo a Polícia Federal. Ao todo, são cumpridos 54 mandados judiciais contra o grupo, em Goiás, outros quatro estados e no Distrito Federal. Entre os suspeitos, está o ex-jogador da Seleção Brasileira, Edilson, e um doleiro.
De acordo com a delegada Marcela Rodrigues de Siqueira, a quadrilha usava cartões do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) e do ConstruCard, que é o financimento da Caixa para a compra de materiais de construção, para cometer o crime.
“A fraude não é estrutural, ela é na comprovação da obtenção do dinheiro nos estabelecimentos. Eles [quadrilha] entravam em contato com os comerciantes e empresários para passar esses cartões e simular compras inexistentes”, relatou.
Em nota enviada ao G1, a assessoria de imprensa do BNDES informou que está buscando mais informações sobre a investigação em curso para avaliar que medida deverá adotar em relação ao caso.
Já a Caixa Econômica Federal informou que “já vem colaborando com as investigações da Operação Desventura” e que “manterá cooperação integral com as investigações em curso”. A instituição destacou, ainda, que “está tomando todas as providências de abertura de processos disciplinares, apuração de responsabilidades e afastamentos, nos casos de envolvimento de empregados do banco”.
Mandados
Os 54 mandados judiciais são cumpridos em Goiás, Bahia, São Paulo, Sergipe, Paraná e no Distrito Federal. Até as 17h, foram cumpridos nove mandados de prisão, 19 conduções coercitivas e 19 buscas e apreensões. No total, 250 policiais federais participam da operação, que tem supervisão do Ministério Público Federal e do Setor de Segurança da Caixa Econômica Federal.
As investigações começaram em outubro do ano passado. Segundo a delegada, o grupo alterava o sistema do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de vários estado e conseguia retirar financiamentos ainda não quitados do registro de veículos.
“De posse de informações privilegiadas e sigilosas, eles obtinham senhas de gerentes específicos, entravam em um sistema que migra para o do Detran e, com isso, conseguiam tirar gravames de veículos de diversas instituições financeiras”, explicou.
“Nos meus mais de 20 anos de Ministério Público, essa quadrilha foi a que vi com maior diversidade de fraudes. Ela é muito eclética. Hoje, a gente espera que tenhamos conseguido desarticular essa quadrilha”, afirmou o procurador da República Hélio Telho.
O ex-jogador do Corinthians e da seleção brasileira Edilson Capetinha (Foto: TV Globo/Reprodução)O ex-jogador da Seleção Brasileira é um dos
suspeitos (Foto: TV Globo/Reprodução)
Loterias
Marcela informou que ainda não é possível calcular o prejuízo total causado pelos integrantes da organização. Porém, foi confirmado que só em fraudes no pagamento de prêmios da loteria, o grupo desviou mais de R$ 60 milhões, valor que seria destinado para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). No ano passado, os premiados na loteria deixaram de resgatar R$ 270,5 milhões.
A investigação apontou que o esquema criminoso contava com a ajuda de correntistas da Caixa Econômica Federal, que eram escolhidos pela quadrilha por movimentar grandes volumes financeiros e que também seriam os responsáveis por recrutar gerentes do banco para a fraude.
Ainda segundo a PF, quando os criminosos estavam de posse de informações privilegiadas, entravam em contato com os gerentes para que eles viabilizassem o recebimento do prêmio por meio de suas senhas, validando, de forma irregular, os bilhetes falsos.
"A fraude não está no sorteio, ela está na validação fraudulenta dos bilhetes. Qualquer bilhete premiado tem o prazo de 90 dias para ser retirado. O sistema da Caixa emite um alerta quando falta oito dias para prescrever esse bilhete. Com base nessas informações privilegiada, servidores da Caixa repassava quais seriam esses bilhetes para membros da quadrilha", explicou a delegada.
Os suspeitos poderão responder pelos crimes de integrar organização criminosa, estelionato, lavagem de dinheiro e corrupção.