Postagem em destaque

Slow Motion Bossa Nova - Celso Fonseca & Ronaldo Bastos

Encante-se ...!

sábado, 27 de junho de 2015

É bom conhecer um pouco de Neuro Linguística para suportar os políticos brasileiros... / Época

http://epoca.globo.com/ideias/noticia/2015/06/os-tipos-da-politica-brasileira-segundo-linguagem-corporal.html


IDEIAS


Os tipos da política brasileira segundo a linguagem corporal


O tímido, o inseguro, o atrevido... Expressões faciais e pequenos gestos podem revelar personalidades, verdades e mentiras

RODRIGO CAPELO
24/06/2015 - 08h00 - Atualizado 24/06/2015 14h51



Em Lie to Me, série que se inspirou no trabalho do renomado psicólogo Paul Ekman, especializado em emoções humanas, o protagonista é um investigador que consegue dizer se tal acusado realmente cometeu o crime somente ao notar, na face e nos gestos dele, padrões que apontem verdades, mentiras e sentimentos. É um exagero típico da televisão americana, claro, mas levanta uma hipótese que faria qualque brasileiro festejar: o que seria do político se houvesse alguém que analisasse suas expressões e gestos e descobrisse o que ele realmente pensa sobre o que diz?


É com esta ideia em mente que ÉPOCA consultou dois especialistas em linguagem corporal: Giovanni Mileo, com experiência em marketing político, e Paulo Sergio de Camargo, autor dos livrosLinguagem Corporal e Não Minta Para Mim! Psicologia da Mentira e Linguagem Corporal. Ambos assistiram a vídeos de uma dezena de políticos, anotaram padrões e os classificaram em nove tipos.


Que fique claro: para que esse estudo fosse conclusivo, científico, seriam necessárias muito mais horas de análise e muito mais vídeos de períodos mais abrangentes das carreiras desses políticos. O intuito, aqui, é mostrar que pequenos gestos, conscientes ou involuntários, podem reforçar o que o interlocutor fala ou podem revelar o que ele não gostaria que fosse revelado.


>> Leia também: O que Dilma Rousseff diz (sem querer) com gestos e caretas


Aécio Neves – O aflito


O senador tucano concorreu com Dilma Rousseff pela Presidência da República em 2014 e perdeu. Em 2015, tentou surfar na onda gerada por manifestações populares nas ruas para se notabilizar como principal nome da oposição ao PT. Uma dessas ocasiões ocorreu logo após os protestos de 15 de março, e nela especialistas notaram que há um Aécio Neves aflito por trás do opositor de discurso ferrenho.


Assim que começou a dizer que "é essencial que as oposições continuem reunidas" a jornalistas (0:05 do vídeo abaixo), Aécio tem rugas na testa e entre as sobrancelhas, o que especialistas chamam de "ruga da dificuldade", ambos sinais de tensão. "Ele sabe que vai ser muito difícil manter as oposições reunidas", interpreta Camargo. Depois (0:32), os cantos da boca apontam para baixo, indício de tristeza. A face ao falar das pessoas que votaram nele para presidente (0:56) demonstra raiva contida. É um misto que leva a aflição.





O aflito: Aécio Neves, senador e presidente do PSDB (Foto: Reprodução / YouTube)


Eduardo Cunha – O chefe


Eduardo Cunha disputa eleições há 17 anos, hoje preside a Câmara dos Deputados e tem tamanha influência que foi comparado a Frank Underwood, o parlamentar fictício que manipulou adversários na série americana House of cards até virar presidente dos Estados Unidos. Seus gestos apontam na mesma direção. Quando foi voluntariamente à CPI da Petrobras para "prestar esclarecimentos" sobre as acusações de que fez parte do esquema de propinas na estatal, Cunha repetiu com as mãos o que dizia com as palavras. Ao afirmar que prestaria "todo e qualquer esclarecimento" (0:46 do vídeo abaixo), a mão dele avança sobre a mesa. Isso quer dizer: quero tomar posse deste território, quero ter iniciativa. A cabeça dele balança positivamente (1:02) quando diz que faz questão de comparecer ao plenário para ser "inquirido", sinal de que fala a verdade. Manter o cotovelo sobre a mesa e falar de lado demonstra convicção. Cunha confia no que diz e coloca a voz no tom exato, com pouquíssimas interrupções na fala e no raciocínio. Ele é o chefe.





O chefe: Eduardo Cunha (Foto: Reprodução / YouTube)






Joaquim Levy – O tímido


O ministro da Fazenda escolhido por Dilma Rousseff para tesourar as contas públicas e negociar o chamado ajuste fiscal com parlamentares demonstra, por meio de suas aparições públicas, que tem o que o cargo exige: humildade, confiança no que vai dizer, energia para trabalhar. Mas não é, como os demais à sua volta, um político de fato, por isso dá sinais de timidez.


A voz dele é monótona e faz poucas variações de entonação em meio a uma fala. Note no discurso da posse, já em 5 de janeiro, quando defendeu o "equilíbrio fiscal", que Levy coloca os ombros sobre a mesa e a mão esquerda sobre o antebraço direito (0:15 do vídeo abaixo). O primeiro gesto quer dizer: tenho confiança no que vou falar. O segundo: preciso me acalmar. O ministro está sob pressão no novo cargo, e isso fica evidente quando ele cruza os dedos (0:47).


O tímido: Joaquim Levy, ministro da Fazenda (Foto: Reprodução / YouTube)






José Eduardo Cardozo – O irritado


O ministro da Justiça foi colocado pela presidente para responder às manifestações populares de 15 de março, uma situação de extrema delicadeza para a equipe de Dilma. Com bom vocabulário, voz grave e fala precisa, Cardozo passa credibilidade a quem o ouve. Tanto que voltou a ser porta-voz do governo federal sobre protestos e corrupção em outras ocasiões. Mas detalhes revelam desconforto e raiva.


Alguns gestos são repetidos por Cardozo várias vezes durante o longo pronunciamento após os protestos. As mãos em formato de pinça reforçam a exatidão do que o ministro diz. A ruga entre as sobrancelhas revelam o estado de tensão. E há raiva contida. Quando diz que o governo ouvirá propostas seja de quem o defende, "seja de quem o critica" (6:15 do vídeo abaixo), ele ergue o queixo, o lábio esquerdo sobe, e os dentes cerram. São indícios de desprezo e raiva. Poucos antes (6:04), ele já tinha apontado com os dois dedos ao dizer que o governo apresentaria novas medidas e estaria "aberto ao diálogo". Isso revela o desejo de ganhar a discussão no grito.









O irritado: José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça (Foto: Reprodução / YouTube)






Aloizio Mercadante – O inseguro


O ministro-chefe da Casa Civil foi colocado por Dilma Rousseff para "intensificar" as negociações do ajuste fiscal no Congresso, uma tarefa nada grata. A missão era passar por parlamentares as MPs 664, 665 e 668 sem que as economias que o governo federal pretendia fazer fossem depenadas. Diante de jornalistas, Mercadante mostrou o que lhe é característico: voz grave, fala pausada, bom vocabulário. O que certos microgestos deixaram transparecer é que o petista, a julgar pela postura na ocasião, passar por momento de insegurança.


Logo no início (0:02 do vídeo abaixo), Mercadante acaricia as mãos. Faz isso para se acalmar. Olha de lado (0:06) e aparenta desconfiança. Depois, quando começa a falar efetivamente do ajuste fiscal (0:30), faz uma pausa, engole seco, indícios de que está em desacordo com as medidas que defende. Ele volta a engolir seco quando cita as três MPs (0:39). Outro sinal que aponta na mesma direção vem três minutos depois (3:50), quando arranha a própria mão. A sequência mostra que o petista não está nada à vontade.


O inseguro: Aloizio Mercadante, ministro-chefe da Casa Civil (Foto: Reprodução / YouTube)


Romário – O novato


O Romário senador tem muito mais experiência em gramado e praia do que em plenário, e ele deixa claro o nervosismo por enfrentar um novo desafio enquanto fala. Um sinal está no vídeo abaixo, em que o "baixinho" chacoalha as pernas ao comentar a prisão de José Maria Marin, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). É o que especialistas chamam de "cadeira elétrica". Ele tem pressa, fala rápido, quer resolver tudo de uma vez. Calma, artilheiro.





O novato: Romário, senador (Foto: Reprodução / YouTube)






Fernando Collor – O locutor


Quem não o conhece e o ouve falar pode achar que Collor, ex-presidente, hoje senador, é locutor. A entonação da voz se parece com a de uma apresentador de jornal, com excelente leitura e paradas dramáticas para enfatizar certos trechos. Os microgestos vão na mesma linha. Ao criticar Rodrigo Janot, procurador-geral da República que investiga, entre outros casos, na Operação Lava Jato, Collor (7:09 do vídeo abaixo) faz uma pinça com a mão. Isso denota precisão. Ao mesmo tempo, durante todo o pronunciamento, tem rugas na testa e outros sinais de tensão. "Ele quer se controlar para não ultrapassar limites", explica Camargo. Como um radialista.


O jornalista: Fernando Collor, senador (Foto: Reprodução / YouTube)


Humberto Costa – O atrevido


O senador Humberto Costa, do PT, foi à tribuna em 30 de abril, logo após o massacre de professores no Paraná, para condenar a polícia paranaense – afinal, o governo do estado é do tucano Beto Richa. A performance do petista é peculiar dele. O movimento circular com a mão (1:09 no vídeo abaixo) enquanto falava que o caso havia rodado o mundo é pertinente. Especialistas elogiam quem confirma com gestos o que acaba de dizer. Ao falar da imprensa internacional (1:16), ele faz careta, um sinal do deprezo que quer conferir ao que fala.


O mais interessante vinha dez minutos depois, quando Aloysio Nunes (PSDB-SP) interrompeu o discurso de Costa para lhe fazer perguntas. O petista, que socava o ar enquanto criticava a ação da polícia, colocou as duas mãos sobre a tribuna e disse: "mas eu ouço com atenção uma voz que, acredito, vá tentar justificar o injustificável". Em seguida, enquanto Nunes começava a questioná-lo, Costa fazia uma carranca. Em silêncio, ele dizia: não me importo com o que você vai falar. A careta foi mantida durante a fala do opositor (15:17), modo de desprezá-lo durante um embate.


O atrevido: Humberto Costa, senador (Foto: Reprodução / YouTube)


Marta Suplicy – A gesticuladora


Se há alguém na política brasileira que sabe usar bem as mãos enquanto discursa, este alguém é Marta Suplicy. A ex-petista, ao defender cotas para mulheres no Congresso, gesticula no mesmo sentido o que fala. Quando quis demonstrar exatidão, no trecho sobre os 10% que as mulheres ocupam no parlamento brasileiro (2:06 do vídeo abaixo), ela fez uma pinça com os dedos. Quando fala no voto em lista (3:20), faz uma coluna com as mãos no ar. Depois, ao dizer que mulheres têm "percepção" e "sensibilidade", Marta abre os dedos, estica as mãos e faz um movimento à frente (4:41). Isso diz implicitamente: eu quero que minhas ideias entrem em você, quero que as internalize. "A Marta faz bom uso das mãos enquanto discursa. A voz é que não tem variação como deveria", diz Camargo.





A gesticuladora: Marta Suplicy, senadora (Foto: Reprodução / YouTube)



saiba mais
O que Dilma Rousseff diz (sem querer) com gestos e caretas



sexta-feira, 26 de junho de 2015

Notícias deprimentes de Brasília... / Blog do Murilo / Perca Tempo


COLUNA DE CLAUDIO HUMBERTO


“A soltura permitirá a reorganização das atividades ilícitas”
Desembargador João Pedro Gebran Neto, negando liberdade a Otávio Azevedo, da AG



LULA AVALIA PROMOVER ‘EXPURGO’ NO PT E SE SAFAR

O ex-presidente Lula tem sido aconselhado por setores do próprio PT a promover um “expurgo”, de inspiração stalinista, de petistas acusados de corrupção. O expurgo seria por meio de desligamento “voluntário”, sempre “em nome do projeto”, ou com a expulsão dos que não aceitem a solução. O objetivo do expurgo seria tentar safar o próprio Lula no caso Lava Jato e viabilizar sua nova candidatura presidencial, em 2018.

COMEÇOU A OPERAÇÃO

Lula resistiu ao expurgo, mas suas recentes críticas ao PT e seus elogios ao “projeto” sinalizam que ele passou a considerar a ideia.

O GRANDE EXPURGO

O expurgo no PT é inspirado no “grande expurgo” promovido de forma violenta pelo ditador Joseph Stalin no Partido Comunista soviético.

EXPURGO À BRASILEIRA

O expurgo sob exame no PT não cogita utilizar, claro, os mesmos métodos de Stalin, que mandou matar 98 dos seus 139 companheiros.

REFERÊNCIA PETISTA

Stalin – tirano idolatrado por figurões do PT – assassinou dois terços do PC, entre 1934 e 1939, incluindo o dissidente Leon Trotsky.

SP: PF PERICIA DOCUMENTO QUE IMPLICA PREFEITO

Documentos que atestariam uma movimentação financeira suspeita de familiares do prefeito de São Caetano (SP) foram levados à Polícia Federal, em São Paulo, para perícia. Esses documentos contam a história da abertura de uma empresa, em Miami, em nome da mulher e do filho de 19 anos do prefeito. Em poucos meses, a empresa Pinheiro Brokers Company faturou US$ 1,7 milhão (R$ 5,2 milhões).

NAS MÃOS DA PF

Na PF, os documentos entregues para perícia receberam o protocolo Siapro SR/DPF/SP 08500.041146/2015-71.

PREFEITO: ‘SÃO FALSOS’

O prefeito de São Caetano, Paulo Nunes Pinheiro (PMDB), diz que os papéis são falsos e os atribui ao antecessor José Auricchio Jr (PTB).

FORMA DE CHANTAGEM

O chefe de gabinete do prefeito garante que é tudo mentira, “uma forma de chantagem”. E que até boletim de ocorrência foi registrado.

LEGADO DO PT

Blog dedicado a tecer loas ao tesoureiro petista João Vaccari Neto, que está recolhido aos costumes na penitenciária de Curitiba, enfatiza que defendê-lo “é defender o legado do PT”. Mensalão e petrolão?

SÓ O MOTORISTA É OFICIAL

Defensora da inclusão, a ministra Tereza Campello (Combate à Fome) nem sempre tem tempo de levar a filha ao exclusivo colégio Seriös, de Brasília. Mas o motorista oficial usa o carro particular da distinta.

A CÂMARA SOU EU

Criticado por ignorar a comissão que analisou a reforma política, desautorizando o relator Marcelo Castro (PMDB-PI), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, apresentou Proposta de Emenda à Constituição (PEC) extinguindo comissões que analisam... PECs.

EXISTEM EX-GAYS?

Ficou lotada ontem a audiência pública proposta pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP) para ouvir depoimentos de “ex-gays”. Mas os curiosos queriam apenas conferir o que julgavam não existir.

FATOR VITAL

O Planalto acusa de “ingratidão” Vital do Rêgo, ministro do Tribunal de Contas da União: acha que ele vai pegar pesado nas pedaladas fiscais. Mas Vital deve sua nomeação no TCU a Renan Calheiros, não a Dilma.

RUMO AO PLANALTO

Publicamente, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) desconversa sobre sua eventual candidatura à Presidência da República em 2018. Mas, no papo reservado, ele se revela cada vez mais animado.

COBRANÇA DE LÍDICE

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA), que lidera a bancada de esquerda no Senado, cobra da mesa diretora a constituição da CPI da CBF, proposta pelo correligionário Romário (RJ).

FIM DA TRÉGUA

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que tinha acenado a bandeira branca para Dilma, voltou a criticar o Planalto. Acusa o governo de promover o retrocesso econômico e social com o arrocho fiscal.

PENSANDO BEM…

…o pioneirismo é mesmo a marca do PT: nunca antes na história do homo sapiens um partido chegou ao poder para ser preso.

PODER SEM PUDOR

SOBRINHO FARRISTA

Garotão nomeado chefe de gabinete do tio governador do Ceará, certo dia, foi detido numa blitz no carro oficial do chefe, com duas mulheres que conheceu numa boate. Deu a carteirada, gritando de dentro do automóvel:

- Sou o governador, não quero ninguém aqui!

O tio foi informado do incidente e cobrou explicações.

- Mas, tio, o que eu podia fazer, naquela situação? - indagou.

- Poderia se identificar como sendo o Menezes Pimentel, que é viúvo.

Naquela época em que Viagra era um sonho ainda distante, o senador Menezes Pimentel tinha mais de 90 anos.


Postado por MURILO às 09:13

Do blog de Políbio Braga / Vídeo / Lula, Dilma, clube do Bilhão...



ASSISTA O COMENTÁRIO DE HOJE:


COMEÇAM A VAZAR OS CRIMES DE LULA, DILMA E O PT, TUDO NA FALA PROVADA DE RICARDO PESSOA, O DONO DO CLUBE DO BILHÃO

A Globonews informou ainda há pouco que os depoimentos do empreiteiro Ricardo Pessoa, chefe do Clube do Bilhão, tudo no âmbito da sua delação premiada, começaram a vazer. Dilma tomará impeachment, o PT vai acabar e Lula parará na cadeia. Foi dinheiro sujo, roubado da Petrobrás, o que engordou as propinas para a organização criminosa. O que vazou o MPF: "Pagamentos ao PT por caixa dois". É o título da planilha apresentada por Ricardo Pessoa aos procuradores da Lava Jato. 3,6 milhões de reais às campanhas de Dilma Rousseff em 2010 e 2014. O...

MAINARDI E SABINO PROCLAMAM: "CAIU A REPÚBLICA !".

Neste post do seu blog de hoje, os jornalistas Mário Sabino e Diogo Mainardi avisam que caiu a República. Leia tudo: Chamem a Polícia. Na tabela apresentada por Ricardo Pessoa, ele relacionou o pagamento de 2,9 milhões de reais a João Vaccari Neto, tesoureiro do PT. Rigorosamente no caixa dois. Em fevereiro de 2011, ele deu 500 mil reais para o partido; em março de 2011, outros 500 mil reais; em março de 2012, 220 mil reais. Em...

Revolta popular no Equador contra Rafael Correa... / blog Aluizio Amorim


sexta-feira, junho 26, 2015


EXCLUSIVO: EXPLODE NO EQUADOR REVOLTA POPULAR CONTRA O TIRANETE RAFAEL CORREA, TÍTERE DO FORO DE SÃO PAULO.

Estas fotos são do jornal La Hora, do Equador. Clique aqui para ver a reportagem e mais fotos, ou seja, tudo aquilo que a grande mídia brasileira está escondendo em favor da bandalha comunista do Foro de São Paulo, presidido por Lula, o ex-presidente do petrolão.
Não é apenas no Brasil que estão ocorrendo protestos, mas em toda a América Latina. Graças ao Twitter é que tive acesso às mega manifestações populares que se levantam no Equador contra o governo comunista do tiranete Rafael Correa, um dos expoente do Foro de São Paulo. Aliás, a portentosa sede da Unasul está no Equador e não se sabe quanto o Brasil, por exemplo, investiu naquele prédio gigantesco que tem uma estátua enorme do finado tiranete argentino Néstor Kirchner, que dá o nome a esse prédio nababesco, na verdade a sede do Foro de São Paulo.
Como não poderia deixar de ser, o levante popular no Equador é praticamente escamoteado pela grande mídia brasileira. E não é só o que está ocorrendo no no latifúndio de Rafael Correa que é diligentemente escondido e minimizado pelo jornalismo à soldo do Foro de São Paulo.
Não vejo televisão e por isso não sei se noticiaram alguma coisa. Note-se que as revoltas populares contra as ditaduras do Foro de São Paulo não ocorrem apenas no Brasil e no Equador, mas praticamente em todos os países da América Latina sob o controle dessa organização comunista fundada por Lula e Fidel Castro em 1990, com o objetivo de transformar todo o continente latino-americano num apêndice do castro-comunismo. Tanto é que se registram também ataques terroristas do Foro de São Paulo em Honduras e o governo hondurenho acusa a interferência da Venezuela que tenta empurrar goela abaixo dos hondurenhos o famigerado Zelaya que foi deposto por ter rasgado a Constituição daquele país. Quem acompanha o noticiário internacional lembra-se o episódio em que Lula transformou a embaixada brasileira em Manágua num bunker de Zelaya. Lembro que naquela oportunidade a Folha de S. Paulo escalou um jornalista para cobrir aquela pantomima bolivariana. Esse jornalista dormia dentro da embaixada brasileira ao lado de Zelaya.
O mote das manifestações que explodiram no Equador é praticamente igual ao que ocorre no Brasil. Populares gritam que o Equador não quer se transformar numa nova Venezuela. Como no Brasil lá também a economia foi para o vinagre repetindo-se a velha máxima segundo a qual o socialismo se acaba quando acaba do dinheiro dos outros.
No Equador o tiranete Rafael Correa, a exemplo da Dilma e do Lula, resolveu meter a mão no bolso dos cidadãos na tentativa de salvar o país da bancarrota. Mas lá, como aqui, embora tenha demorado, o povo acordou e foi para as ruas e não saíra delas até que o tiranete vagabundo Rafael Correa seja derrubado. 
Como essas revoltas populares são anti-comunistas, contra o Foro de São Paulo, a grande mídia nacional e internacional dá um jeito de escamotear.
Acontece que essa fórmula diabólica de manipular a opinião pública que a grande mídia e seus jornalistas comunistas estavam acostumados a aplicar foi por água abaixo depois do advento da internet e, sobretudo, das redes sociais. 
Já começo a a aceitar a tese de que os grandes jornais e revistas irão desaparecer. Não por causa das novas tecnologias, mas por obsolescência de conteúdo e manipulação da informação, ao mesmo tempo que que a mídia independente que opera apenas em nível de internet terá um crescimento astronômico nos próximos anos.
Depois de muito fuçar na internet acabei encontrando uma matéria pequena e sem fotos, de agência, veiculada ontem no site do jornal O Estado de S. Paulo referente à revolta popular no Equador. Certamente outros veículos de mídia também noticiaram mas de forma minimalista sem o devido destaque. Abaixo transcrevo a matéria que encontrei no site do Estadão.
O tiranete Rafael Correa, o lacaio do Foro de São Paulo, acossado pelo povo nas ruas.
POVO NAS RUAS CONTRA O TIRANETE
Milhares de manifestantes tomaram as ruas da maior cidade equatoriana, Guayaquil, para protestar contra as políticas do presidente Rafael Correa, especialmente contra suas novas propostas tributárias. As manifestações, lideradas pelo prefeito Jaime Nebot, são parte da terceira semana de protestos contra o governo de Correa. Nesta quinta-feira, também ocorreram grandes protestos na capital do país, Quito, e em outras cidades, como preparação para a paralisação nacional, cuja data ainda não foi definida.
Emissoras de televisão mostraram imagens de milhares de pessoas na principal avenida de Guayaquil, levando bandeiras e cartazes com dizeres como "Chega de abusos, chega de impostos" e "Equador não é Venezuela". Em um discurso duro, Nebot disse que o Equador passa por tempos difíceis, não apenas política, mas ideologicamente, e acusou o governo central de dividir os equatorianos, seguindo o caminho do regime venezuelano.
Os protestos contra o governo eram originalmente organizados por meio de redes sociais, mas agora são também liderados por opositores, sindicatos, populações indígenas e ativistas sociais.
Um projeto de lei para taxar heranças em até 77,5% e outro de um imposto de 75% sobre ganhos de capital do setor imobiliário foram o estopim dos protestos, que incluem reclamações contra as políticas econômicas do governo e contra o que os críticos descrevem como a posição ditatorial de Correa. O presidente diz que os protestos buscam desestabilizar seu governo e os novos impostos buscam garantir mais igualdade.
Economistas dizem que as leis afetarão negativamente a economia equatoriana e as famílias, em uma nação onde 95% dos negócios são familiares. Na semana passada, Correa retirou temporariamente do Parlamento os dois projetos de lei, antes da visita do papa Francisco ao país, entre 6 e 8 de julho. Os manifestantes querem que as leis sejam definitivamente arquivadas.
O partido governista, Alianza País, controla 100 das 137 cadeiras da Assembleia Nacional. Os protestos contra as políticas de Correa devem seguir pelo menos até julho, quando sindicatos decidem a data de uma grande greve contra o governo.
Correa, que há três meses é alvo de protestos em razão de suas políticas e estilo de governo, registrou este mês o índice de popularidade mais baixo de seu governo (46%) desde que assumiu o poder, em 2007, de acordo com uma pesquisa Cedatos-Gallup publicada nesta quinta-feira. A sondagem revelou uma queda de 5 pontos porcentuais na popularidade do presidente em relação a maio. Do site do Estadão

Ilusão de ótica ... veja um falso tsunami



Link permanente da imagem incorporada

Agora o papo é sobre BELEZA! Visão masculina de ver, pensar, imaginar beleza ... / Papo de Homem

http://www.papodehomem.com.br/a-beleza-importa-uma-verdade-inconveniente?utm_content=buffer1079a&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer
A beleza importa: uma verdade inconveniente
Quando o belo se faz irremediavelmente importante, precisamos saber qual o seu contexto e benefícios
Cá estamos outra vez, hasteando o bastião da sabedoria nas pilastras da galhofa. A nossa querida coluna de imagem e estilo masculino de hoje analisará um assunto um tanto polêmico: a beleza
O assunto é beleza, então não preciso explicar a imagem. Monica.
Como já é usual, nosso objetivo não é emitir um veredicto ou estabelecer se algo é bom ou ruim, mas sim estimular a reflexão por meio do conhecimento pleno dos mecanismos estéticos, fazendo com que você, nobre truta, tenha mais controle sobre sua própria imagem.
Do começo: 

— Err, claro que beleza importa, mas não deveria, pois beleza é só a casca das coisas.
Amigão, volta lá e lê o segundo parágrafo deste texto. Pronto. 
Agora vamos buscar algumas informações na ciência, assim pareceremos mais sérios e inteligentes. Foi feita uma pesquisa em Londres, em que os voluntários tinham que escutar música e ver obras de arte monitorados por uma máquina que detectava as áreas do cérebro que estavam sendo ativadas naquele instante. Era pedido aos participantes que atribuíssem aos quadros e as músicas uma destas três características: feio, bonito e indiferente.
"Sempre quando a escolha era “bonito”, uma região específica do cérebro (a OFC) era ativada, a mesma região associada à recompensa, ao prazer e, muito importante, à curiosidade. Esta mesma região também é ativada quanto achamos um rosto bonito e, provavelmente, reaja assim a tudo mais que caracterizarmos como tal.
E daí?
Pois bem. A beleza se manifestar na mesma região que a curiosidade e que o sistema de recompensas pode ser uma tremenda pista de como ela age em nossa mente. Talvez a beleza, com seu caráter quase hipnótico, interaja conosco mais do que somente com a pura contemplação. Quem sabe ela não seja também um gatilho para o conhecimento? Lembre-se que nosso cérebro nunca trabalha de maneira randômica e, ao observarmos algo que julgamos belo, ele nos diz "continue olhando, fera". 
E se este for o sinal para percebemos que, à nossa frente, existe algo a ser decifrado?A contemplação como finalidade não tem lógica alguma, portanto, é muito provável que ela se trate do meio, não do fim do processo. Neste caso, a beleza seria um incentivo à curiosidade, uma dica da nossa mente para ficarmos atentos ao que temos diante de nós, e aprendermos com este algo.
Pode ser que grande parte da evolução humana se deva à percepção do belo. Pense bem, quando estamos em frente a alguma coisa bonita, mas que já vimos inúmeras vezes, ela parece perder um pouco da beleza, se tornar entediante, óbvia.... e por quê? Já a conhecemos, já a deciframos, não existe mais nada de curioso ali, então, aos nossos olhos, seu status se altera, ela perde seu encanto, se torna indiferente, quem sabe até comecemos a achá-la feia. 
É esta a grande sacada da beleza. Ela está intimamente ligada à resolução de um mistério. Por meio da harmonia ou de um padrão, percebemos que se trata de algo compreensível, embora ainda sem resolução, e este desejo de montar o quebra cabeça é a força que nos move na direção dela. Talvez por isso a beleza seja a característica mais arredia de todas, pois ela só existe de maneira plena quando é inatingível. Será sempre perseguida, mas nunca conquistada, sua condição de existência é a dúvida, a curva, o logo ali que nunca chega, embora sempre esteja do outro lado da calçada.
"Ah, que paraíso!". Pro cara que mora lá, é só mais uma terça-feira. 
— Bacana, poeta, e o que minha lata estragada tem a ver com isso?”
Ah moleque diabólico, não se aflija. Agora que compreendeu o funcionamento, é hora de aplicar o conhecimento: saiba que a beleza não é um fator físico, mas um fator perceptivo. Boa parte dela é transmitida e sofre variação quando nos expressamos, portanto, nem feiúra nem beleza são razões absolutas.
— Ah, entendi, então eu ter um buraco do nariz arreganhado de um lado e um parecendo um furicó do outro, não é necessariamente feio, né?
Putz, fera, sinto muito, é feio e não é pouco não. Deu até um calafrio aqui quando você falou furicó.
A primeira coisa que devemos fazer quando falamos sobre beleza é parar de acreditar no mantra do marketing atual de que todos somos igualmente belos. Eu vejo as propagandas de cosméticos anunciando que eles acham bonito tudo que é real e, na sequência, enchem a propaganda de diversos tipo de pessoas “reais” usando seu produtos. Tem baixas, altas, gordas, magras, velhas, novas. Ok, isso é diversidade de biotipo, o que não se trata exatamente de pessoas reais, ou melhor, são reais, mas ainda assim, costumam ser as mais bonitas dentro de seus biótipos.
Me diz, tem lá alguém cheio de olheira inchada e roxa, como vemos no mundo real? Tem com a pele toda manchada e irregular de sol, com é comum em qualquer região do brasil? Ah, não tem, né? Por que? Porque a pessoa “real” que usar o cosmético vai ganhar uma bunda de neném no lugar das bochechas, correto? Acho que não.
Veja bem, não somos e nunca seremos igualmente belos. A grande questão aqui é que isto não deve ser um problema, mas sim uma porta para o autoconhecimento e, com ele, o aprimoramento. 
Leia mais a partir do link   

Felicidade se aprende .. Acredite e vá em frente... Psicologia / Universidade de Harvard / Tal Ben-Shahar / El País


Seis chaves para ser feliz, segundo a Universidade de Harvard

“A alegria também se aprende, como o golfe ou o esqui”

  • Enviar para LinkedIn208
  • Enviar para Google +82
Parece cada vez mais claro que a nova febre do ouro não está ligada a ficar milionário ou encontrar a fonte da juventude eterna. Otesouro mais cobiçado de nossos tempos é a felicidade, um conceito abstrato, subjetivo e difícil de definir, mas que está na boca de todos. A felicidade é até objeto de estudo da prestigiosa Universidade Harvard.
Alguns dos estudantes de psicologia dessa universidade americana têm sido um pouco mais felizes há vários anos, não apenas por estudar numa das melhores faculdades do mundo, mas também porque de fato aprenderam com um curso. Seu professor, o doutor israelense Tal Ben-Shahar, é especialista empsicologia positiva, uma das correntes mais presentes e aceitas no mundo e que ele próprio define como “a ciência da felicidade”. De fato, Ben-Shahar diz que a alegria pode ser aprendida, do mesmo modo como uma pessoa aprende a esquiar ou a jogar golfe: com técnica e prática.
Com seu best-seller Being Happy e suas aulas magistrais, os princípios tirados dos estudos de Tal Ben-Shahar já deram a volta ao mundo sob o lema “não é preciso ser perfeito para levar uma vida mais rica e mais feliz”. O secreto parece estar em aceitar a vida tal como ela é; isso, segundo Ben-Shahar, “o libertará do medo do fracasso e das expectativas perfeccionistas”.
Embora mais de 1.400 alunos já tenham passado por seu curso de Psicologia da Liderança, ainda seria o caso de fazer a pergunta: será que alguma vez temos felicidade suficiente? “É precisamente a expectativa de sermos perfeitamente felizes que nos faz ser menos felizes”, ele explica.
Seguem os seis conselhos principais do professor para ajudar as pessoas a se sentirem afortunadas e contentes:
1.Perdoe seus fracassos. E mais: festeje-os! “Assim como é inútil se queixar do efeito da gravidade sobre a Terra, é impossível tentar viver sem emoções negativas, já que fazem parte da vida e são tão naturais quanto a alegria, a felicidade e o bem-estar. Aceitando as emoções negativas, conseguiremos nos abrir para desfrutar a positividade e a alegria”, diz o especialista. Temos que nos dar o direito de ser humanos e perdoar nossas fraquezas. Ainda em 1992, Mauger e seus colaboradores estudaram os efeitos do perdão, constatando que os baixos níveis de perdão estão relacionados à presença de transtornos como depressão, ansiedade e baixa autoestima.

Aceitar a vida como ela é o libertará do medo do fracasso e das expectativas perfeccionistas
Tal Ben-Shahar, professor de Harvard
2.Não veja as coisas boas como garantidas, mas seja grato por elas. Coisas grandes ou pequenas. “Essa mania que temos de achar que as coisas são garantidas e sempre estarão aqui têm pouco de realista.”
3.Pratique esporte. Para que isso funcione, não é preciso malhar numa academia até se cansar ou correr 10 quilômetros por dia. Basta praticar um exercício suave, como caminhar em passo rápido por 30 minutos diários, para que o cérebro secrete endorfinas, essas substâncias que nos fazem sentir-nos “drogados” de felicidade, porque na realidade são opiáceos naturais produzidos por nosso próprio cérebro, que mitigam a dor e geram prazer. A informação é do corredor especialista e treinador de easyrunning Luis Javier González.
4. Simplifique, no lazer e no trabalho. “Precisamos identificar o que é verdadeiramente importante e nos concentrar sobre isso”, propõe Tal Ben-Shahar. Já se sabe que quem tenta fazer demais acaba conseguindo realizar pouco, e por isso o melhor é se concentrar em algo e não tentar fazer tudo ao mesmo tempo. O conselho não se aplica apenas ao trabalho, mas também à área pessoal e ao tempo de lazer: “É melhor desligar o telefone e se desligar do trabalho nessas duas ou três horas que você passa com a família”.
5. Aprenda a meditar. Esse simples hábito combate o estresse.Miriam Subirana, doutora pela Universidade de Barcelona, escritora e professora de meditação e mindfulness, assegura que “no longo prazo, a prática regular de exercícios de meditação ajuda as pessoas a enfrentar melhor as armadilhas da vida, superar as crises com mais força interior e ser mais elas mesmas baixo qualquer circunstância”. Ben-Shahar acrescenta que a meditação também é um momento conveniente para orientar nossos pensamentos para o lado positivo; embora não haja consenso de que o otimismo chegue a garantir o êxito, ele lhe trará um grato momento de paz.
6. Treine uma nova habilidade: a resiliência. A felicidade depende de nosso estado mental, não de nossa conta corrente. Concretamente, “nosso nível de felicidade vai determinar aquilo ao qual nos apegamos e a força do sucesso ou do fracasso”. Isso é conhecido como locus de controle, ou “o lugar em que situamos a responsabilidade pelos fatos” – um termo descoberto e definido pelo psicólogo Julian Rotter em meados do século 20 e muito pesquisado com relação ao caráter das pessoas: os pacientes depressivos atribuem seus fracassos a eles próprios e o sucesso a situações externas à sua pessoa, enquanto as pessoas positivas tendem a pendurar-se medalhas no peito, atribuindo os problemas a outros. Mas assim perdemos a percepção do fracasso como “oportunidade”, algo que está muito relacionado à resiliência, conceito que se popularizou muito com a crise e que foi emprestado originalmente da física e engenharia, áreas nas quais descreve a capacidade de um material de recuperar sua forma original depois de submetido a uma pressão deformadora. “Nas pessoas, a resiliência expressa a capacidade de um indivíduo de enfrentar circunstâncias adversas, condições de vida difíceis e situações potencialmente traumáticas, e recuperar-se, saindo delas fortalecido e com mais recursos”, diz o médico psiquiatra Roberto Pereira, diretor da Escola Basco-Navarra de Terapia Familiar.
  • Enviar