sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

"A honestidade de Lula e de Pompeia" // Claudio Andrade

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

A honestidade de Lula e de Pompeia


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse na última quarta-feira (20), que ‘não tem uma viva alma mais honesta’ do que ele. A espantosa e prepotente declaração foi feita, segundo a Folha de São Paulo, no Instituto Lula, durante encontro dele com blogueiros.

O ex-torneiro mecânico foi enfático ao afirmar que: “Se tem uma coisa que eu me orgulho, neste País, é que não tem uma viva alma mais honesta do que eu. Nem dentro da Polícia Federal, nem dentro do Ministério Público, nem dentro da igreja católica, nem dentro da igreja evangélica. Pode ter igual, mas eu duvido”, disse.

Trata-se de uma declaração que precisa ser interpretada por duas vertentes: a privada e a pública.

No âmbito privado, dentro de sua casa, na relação com a sua esposa, filhos e parentes, Lula deve ser uma pessoa honesta, afinal o que se espera de um chefe de família é que sirva de exemplo para seus entes queridos apresentando bons exemplos a serem seguidos.

Porém, Lula, além de ser um homem com família constituída é também uma pessoa pública, um ex-chefe de estado conhecido em todo o planeta.

Diante disso, o conceito de honestidade alardeado por ele toma uma dimensão que extrapola os limites de sua residência.

Ao governar o país, por oito anos, Lula constituiu nova família e as pessoas escolhidas para formar esse seio familiar político possui o seu dedo indicativo, logo, as responsabilidades por ações, atos e decisões praticados pelos integrantes nomeados por ele devem ao menos serem argüidas e contestadas.

Inegável a importância de Lula no cenário político nacional e mundial. Todavia, essa imagem de imaculado vendida por ele e seus defensores é piegas e traz para si, mais holofotes do que o necessário.

Lula foi presidente por dois mandatos e não há como não deixar de associar as operações da polícia federal e as decisões judiciais ao seu nome. Isso não quer dizer imputar a si, crimes. Todavia, a forma com que Lula se posiciona parece que ele nunca pisou em Brasília, não conhece Dirceu, Ceveró, Bumlai, dentre outros.

Essa pressa em se posicionar de forma alheia aos fatos é que atrai curiosidades, dúvidas e uma ânsia investigatória sem igual.

Como ex-presidente e líder petista, Lula precisa entrar de vez no debate acerca dos bastidores do seu governo, inclusive ajudando nas investigações, afinal a maioria das nomeações, indicações e dos tráficos de influência ocorridos em seu governo e em parte da gestão de Dilma, foram realizados com a sua anuência.

Finalizo com o provérbio feito em referência a Pompéia, esposa de Julio César: "À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta".

Cláudio Andrade