segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

França faz tributo silencioso às vítimas de terrorismo em 2015 / G1

10/01/2016 12h05 - Atualizado em 10/01/2016 12h11

França faz tributo silencioso às vítimas de terrorismo em 2015 

Cerimônia foi silenciosa, com poucos participantes neste domingo (10).
Placa foi descerrada sob um carvalho recém-plantado como um memorial.

Da Reuters
Cerimônia na Praça da República em homenagem às vítimas dos atentados no ano passado em Paris, no domingo (10) (Foto: Charles Platiau/Reuters)Cerimônia na Praça da República em homenagem às vítimas dos atentados no ano passado em Paris, no domingo (10) (Foto: Charles Platiau/Reuters)
A França fez uma homenagem às vítimas dos ataques de militantes islâmicos no ano passado, em uma cerimônia silenciosa com poucos participantes neste domingo (10), quase um ano após 1 milhão de pessoas marcharem em Paris para protestar contra os assassinatos no jornal Charlie Hebdo.
O presidente François Hollande e a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, depositaram uma coroa na estátua de Marianne, figura que é símbolo da República Francesa, no centro de Paris.
A estátua se tornou um santuário para as 17 vítimas dos atentados de janeiro de 2015, no Charlie Hebdo e em uma delicatessen judaica, e para as 130 pessoas mortas a tiros por militantes em 13 de novembro, em um concerto e em bares e restaurantes de Paris.
"Para as vítimas dos ataques terroristas em janeiro e em novembro. Neste local, o povo da França presta suas homenagens", dizia uma placa de metal descerrada por Hollande e Hidalgo debaixo de um carvalho recém-plantado como um memorial na Praça da República, no leste de Paris.
Hollande e Hidalgo não falaram na cerimônia, mas o veterano astro de rock francês Johnny Hallyday, acompanhado apenas de um violão, cantou uma canção sobre a marcha em 11 de janeiro do ano passado, que reuniu a maior multidão em Paris desde a libertação da cidade da Alemanha nazista, em 1944.
O coral do exército francês cantou "Les Prenoms de Paris" ("Os Primeiros Nomes de Paris"), do falecido intérprete belga Jacques Brel, e "Le temps des cerises", uma canção associada com o movimento socialista da Paris de 1871, enquanto dois atores leram um discurso  escrito no século 19 por Victor Hugo.
A enorme praça no leste de Paris, ponto central da marcha de janeiro de 2015, que teve a participação de dezenas de líderes mundiais de braços dados, estava relativamente vazia durante a cerimônia.
Hidalgo convidou os parisienses a levar velas à praça a partir das 17h, horário de Paris (16h GMT) e disse que a estátua Marianne - coberta com flores, velas e fotos das vítimas - será permanentemente iluminada a partir de agora. "Paris está ferida, mas ainda estamos de pé", disse à televisão francesa após a cerimônia.
Visita a mesquita
Hollande fez neste domingo uma visita inesperada à grande mesquita de Paris, um ano e poucos dias depois dos atentados jihadistas que deixaram 17 mortos na capital francesa.
O chefe de Estado visitou o templo muçulmano depois de comparecer à cerimônia na Praça da República.
"O presidente teve um momento de intercâmbio, convivência e fraternidade em volta de um chá", disse uma fonte do presidência à agência France Presse.
Neste fim de semana, várias mesquitas da França abriram as portas por ocasião do primeiro aniversário dos ataques à revista Charlie Hebdo e a um supermercado judaico para um "chá da fraternidade".
Hollande, acompanhado pelo ministro do Interior Bernard Cazeneuve, foi recebido pelo reitor da mesquita, Dalil Boubakeur, e pelo presidente do Conselho Francês de Culto Muçulmano (CFCM), Anouar Kbibech.
Presidente francês, Francois Hollande, descerra placa na Praça da República, em Paris, em homenagem às vítimas do atentado à sede do jornal Charlie Hebdo (Foto: Philippe Wojazer/Reuters)Presidente francês, Francois Hollande, descerra placa na Praça da República, em Paris, em homenagem às vítimas do atentado à sede do jornal Charlie Hebdo (Foto: Philippe Wojazer/Reuters)