Postagem em destaque

A Câmara Federal votou a favor da CORRUPÇÃO...nesta madurgada

quarta-feira, novembro 30, 2016 VERGONHOSO E INFAME: DEPUTADOS PROMOVEM UM GOLPE CONTRA A NAÇÃO BRASILEIRA. Clique sobre...

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Novas acusações formais da Lava Jato atingem Lula e Gim Argello

LAVA JATO DEVE APRESENTAR NESTA QUINTA-FEIRA PRIMEIRAS ACUSAÇÕES FORMAIS QUE ENVOLVEM LULA E GIM ARGELLO.

Força-tarefa está finalizando novas acusações que serão avaliadas pelo juiz Sérgio Moro; Serão as primeiras acusações formais desde que a Lava Jato avançou sobre o "departamento de propinas" da Odebrecht, sobre o ex-presidente Lula e sobre o ex-senador Gim Argello (PTB).
A força-tarefa da Lava Jato vai apresentar nesta quinta-feira, 28, mais duas novas denúncias contra os investigados na megaoperação de combate a corrupção na Petrobrás e que avançou para outras áreas do governo federal. Os procuradores da República em Curitiba, responsáveis pela investigação na primeira instância, estão concluindo desde a manhã desta quinta-feira acusações que devem ser protocoladas à tarde na 13ª Vara Federal de Curitiba, do juiz Sérgio Moro, de acordo com informações do site do Estadão.
Até o momento ainda não há informações sobre quem e quantos serão denunciados, a previsão é de que as denúncias sejam apresentadas à imprensa às 14h desta quinta, na sede da Procuradoria da República no Paraná, em Curitiba. Serão as primeiras acusações formais desde que a Lava Jato avançou sobre o “departamento de propinas” da Odebrecht e sobre o ex-senador Gim Argello (PTB), preso preventivamente sob suspeita de receber R$ 5,3 milhões para evitar a convocação de empreiteiros nas CPIs que investigaram a Petrobrás no Senado e no Congresso em 2014.
Até hoje a operação já apresentou 37 denúncias contra 179 pessoas acusadas de crimes como corrupção, lavagem de dinheiro, formação de organização criminosa, tráfico de drogas, crimes contra o sistema financeiro, dentre outros. Das 37 acusações, o juiz Sérgio Moro já proferiu sentença em 18 ações penais, contabilizando 93 condenações cujas penas somadas chegam a 990 anos e sete meses de prisão.
Os investigadores apontaram o pagamento de R$ 6,4 bilhões em propinas, dos quais ao menos R$ 2,9 bilhões já foram recuperados por meio de acordos de colaboração premiada. Ao todo, segundo o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, já são 65 acordos de colaboração firmados no âmbito da operação, a maior do País. Do site do Estadão