Postagem em destaque

Ferreira Gullar no blog de Ricardo Noblat

POEMA DA NOITE Traduzir-se Ferreira Gullar 04/12/2016 -  23h00 Uma parte de mim é todo mundo: outra parte é nin...

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Notícias de Brasília do blog de Camarotti

  • Temer dá aval para anúncio de déficit fiscal de cerca de R$ 170 bilhões

    O presidente em exercício Michel Temer deu o aval para que os ministros Henrique Meirelles (Fazenda) e Romero Jucá (Planejamento) anunciem nesta sexta-feira (20) uma proposta de meta fiscal com previsão de déficit de cerca de R$ 170 bilhões.

    Chegou a ser cogitado um valor de até R$ 200 bilhões, mas ficou de fora o rombo da Eletrobras, que ainda não está fechado.

    Junto com o anúncio, deve ser divulgada uma nota técnica explicando que o prejuízo da Eletrobras ficará de fora desse cálculo.

    Na próxima terça-feira, o Congresso deverá votar a proposta de meta fiscal que será enviada pelo governo.
     
  • Governo anunciará déficit entre R$ 160 bi e R$ 180 bi



    Ao anunciar a nova meta fiscal para este ano, o governo deverá divulgar nesta sexta-feira (20) que buscará autorização para um déficit (despesas superiores às receitas) entre R$ 160 bilhões e R$ 180 bilhões. 

    Na quinta-feira, o ministro do Planejamento, Romero Jucá, falou em reunião com senadores em déficit de até R$ 200 bilhões, quase o dobro do que foi anunciado pelo governo Dilma Rousseff. Até ontem, ao falar no déficit de R$ 200 bilhões, Jucá incluiu a renegociação da dívida dos estados e o rombo na Eletrobras. 

    A nova meta foi discutida agora há pouco no gabinete do presidnte em excecício Michel Temer, junto com o próprio Jucá, além dos ministros Henrique Meirelles (Fazenda) e Eliseu Padilha (Casa Civil).

    A estratégia que o governo quer usar é explicitar toda a herança do governo Dilma Rousseff. Conforme oblog já havia adiantado na semana passada, a ordem abrir uma “caixa-preta”, fazer uma espécie de inventário do governo da presidente afastada. O governo de Temer quer mostrar tudo que está recebendo da gestão de Dilma, para não ser cobrado por problemas do passado.