Postagem em destaque

Ferreira Gullar no blog de Ricardo Noblat

POEMA DA NOITE Traduzir-se Ferreira Gullar 04/12/2016 -  23h00 Uma parte de mim é todo mundo: outra parte é nin...

domingo, 21 de agosto de 2016

Assessoria com grosseria foi uma mistura que deu errado no Palácio da Alvorada... encontraram água no chope



Resultado de imagem para coluna de claudio humberto
Na tentativa de melhorar a imagem de Dilma Rousseff, o que resta de sua assessoria bolou um “plano genial”: gravar funcionários do Palácio da Alvorada elogiando a presidente ré, musiquinha de fundo, com depoimentos destinados a “emocionar” os brasileiros. Mas deu errado. Cansados dos seus gritos e grosserias, todos se recusaram a gravar os pretendidos elogios. A estratégia era divulgar o vídeo nas redes sociais.
  •  
  •  
  •  
A assessoria de Dilma até solicitou equipe da TV pública, paga pelo contribuinte, para gravar “depoimentos emocionados” em favor dela.
  •  
  •  
  •  
Muito pressionada a gravar depoimento elogiando a presidente ré, uma funcionária da cozinha do Alvorada pediu demissão do serviço público.
  •  
  •  
  •  
Fonte do Alvorada explicou que a assessoria de Dilma “exagerou” na pressão, por isso a funcionária reagiu com o pedido de demissão.
  •  
  •  
  •  
São conhecidas as histórias de grosserias de Dilma contra auxiliares, sejam eles ministros, assessores, cabeleireira, segurança ou copeira.
Investigadores da Lava Jato suspeitam que a presidente ré Dilma Rousseff participou ativamente da operação que garantiu uma “doação” de R$ 17 milhões do Grupo Petrópolis (que produz a cerveja Itaipava) para sua campanha, em 2014. O grupo obteve empréstimo de R$ 830 milhões do Banco do Nordeste (BNB). O caso pode complicar o ex-ministro Edinho Silva e o ex-presidente do BNB Nelson de Sousa.
  •  
  •  
  •  
Nelson de Sousa, ex-BNB, com experiência significativa no setor financeiro, é hoje vice-presidente de Habitação da Caixa Econômica.
  •  
  •  
  •  
Há indícios de que também as campanhas estaduais de Wellington Dias (PI) e Rui Costa (BA) foram abastecidas pela cervejaria
  •  
  •  
  •  
O Ministério Público Federal vem considerando “propina” qualquer “doação” para campanhas eleitorais, ainda que a lei a permitisse.
  •  
  •  
  •  
Os deputados Marcelo Castro (PI) e Celso Pansera (RJ), ex-ministros de Dilma, fingem-se de mortos, esperando o impeachment passar. Não querem ser expulsos do PMDB, como deve ocorrer a Kátia Abreu (TO).
  •  
  •  
  •  
Investigado por corrupção e réu por tentar obstruir a Lava Jato, o ex-presidente Lula decidiu ofender os juízes do impeachment poucos dias antes do julgamento de Dilma. Ele disse à inglesa BBC que “os 81 senadores resolveram cassar [Dilma] por interesse”.
  •  
  •  
  •  
Investigadores trabalham com a suspeita de que o cocho que virou floreira, sumido dos jardins do Palácio Alvorada, pode estar no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), aquele que Lula renega.
  •  
  •  
  •  
Dilma atrasou a coletiva sobre sua “carta”, quarta (17), porque esperava o fim do jogo Brasil x Suécia de futebol feminino. Pretendia fazer um link da vitória da seleção com sua expectativa em relação ao impeachment. Começou a coletiva assim: “É, perdemos...”
  •  
  •  
  •  
Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, até dia 15 foram registradas 1.380 pesquisas eleitorais no TSE. O Maranhão tem o maior número de levantamentos (181), depois vem o Piauí (176) e São Paulo (174).
  •  
  •  
  •  
Quando o presidente Michel Temer bateu martelo, aumentando de R$2 milhões para R$ 10 milhões a verba de combate a seca em Alagoas, um ex-ministro do PMDB tentou fazer intriga, dizendo-lhe que o governo de Renan Filho mantém a aliança com o PT e seus cargos.
  •  
  •  
  •  
O primeiro-ministro Antonio Costa confirmou que virá ao Brasil com o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, em novembro, para a cúpula da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).
  •  
  •  
  •  
O procurador-geral do Acre, Oswaldo D’Albuquerque, pediu audiência ao ministro Alexandre de Moraes (Justiça) para advertir que aos poucos o crime organizado está tomando conta do Estado.
  •  
  •  
  •  
...quando o ministro Eliseu Padilha disse que era para “alinhar a agenda econômica”, queria dizer que a reunião de Michel Temer e outros líderes foi para alinhar os votos contra Dilma no Senado.
  •  
  •  
  •