Postagem em destaque

Ferreira Gullar no blog de Ricardo Noblat

POEMA DA NOITE Traduzir-se Ferreira Gullar 04/12/2016 -  23h00 Uma parte de mim é todo mundo: outra parte é nin...

domingo, 4 de setembro de 2016

Na casa de "Mãe Joana"...


‘Uma emergência com falsos atores’, por Antonio Tabet

Um diálogo entre um prefeito e seu assessor


POR ANTONIO TABET*

04/09/2016 4:30


RIO - O prefeito contava uma piada — velha, diga-se de passagem — para fazer média com um mafioso dono de uma empresa de ônibus da Zona Oeste quando Jorge, o esbaforido assessor, abriu de repente a porta do gabinete para espanto geral.

Veja também
Depois de mais uma polêmica, PMDB pede que Paes se contenha
Três partidos estreiam com 216 candidatos a prefeituras
‘Indivíduos doando pequenas quantias é coisa boa’, diz responsável por campanha de Sanders
Falta de quorum suspende sessões na Câmara do Rio



— Prefeito, com licença...


— Que foi, Jorge? Que cara é essa?


— Desculpe interromper, mas é que... aconteceu uma emergência.


— Putz grila, Jorge. O que desabou agora?


— Não caiu nada, senhor prefeito. Graças a Deus!


— Ufa! Então fala logo de uma vez, que eu vou pra Angra com as crianças ainda hoje.


— Não vai, não.


— Como é que é?


— É que acabaram de invadir a casa do senhor lá, prefeito.


— Quem invadiu?


— Os sem-terra.


— Peraí, Jorge. Os sem-terra invadiram uma casa num condomínio em Angra? O MST não faz isso!


— É que esses não são do MST, prefeito.


— E são de onde?


— Esses são o MSTCT.


— MSTCT?!? Que que é isso?


— Movimento dos Sem Terra Com Terra. É um braço deles, mas menos à esquerda da esquerda. Eles têm mais recursos, senhor.


— Sem Terra Com Terra?!? Pede meu helicóptero que eu vou lá agora acabar com essa palhaçada pessoalmente.


— Não vai, não.


— Como não?


— Bloquearam o heliponto e a saída aqui fora.


— Quem bloqueou?


— Os estudantes.


— Que estudantes?


— Que não estudam. Os estudantes profissionais!


— E desde quando existe esse troço de estudante profissional?


— Desde que enchemos as universidades públicas com essa molecadinha de escola particular.


— Então expulsa todo mundo.


— Não adianta. Tá cheio de imprensa lá fora apoiando o movimento.


— A mídia tá do lado deles?


— Só a independente mesmo. Aquela que dependia de propaganda do governo. Esses jornalistas que não estão em nenhum jornal estão putos. E os intelectuais também.


— Que intelectuais?


— Os que não estão pensando direito, prefeito.


— Cansei. Sabe o que eu vou fazer? Vou ligar pro Major Gouveia tirar geral na marra.


— Não vai, não.


— Ai, minha caceta! Que foi agora?


— A Polícia entrou em greve.


— E quem convocou?


— Os sindicalistas que não trabalham.


— E isso é legal?


— Os legalistas que defendem ilegalidades disseram que é.


— Mas o que aconteceu pra essa gente se mobilizar? O que eles querem?


— Estão pedindo justamente o fim da Polícia Militar. Vê se pode!


— Por que estão pedindo isso?


— Porque um soldado prendeu num ecopacifista que estava atirando rojões na PM e queimando pneus.


— Mas PM nem é assunto do município, pô! Eu sou prefeito. Quem pode fazer alguma coisa é o governador.


— Que governador, prefeito?


— Como qual governador, Jorge?
— O que não governa?