Postagem em destaque

Ferreira Gullar no blog de Ricardo Noblat

POEMA DA NOITE Traduzir-se Ferreira Gullar 04/12/2016 -  23h00 Uma parte de mim é todo mundo: outra parte é nin...

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

"A população de Porto Alegre está em pânico" / Políbio Braga


quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Opinião do editor - A população de Porto Alegre está em pânico

A série de informações que o editor passou hoje sobre ocorrências na área da segurança pública, elevou o número de visualizações do blog para 300 mil, dez vezes mais do que o total diário obtido no final da semana. A população está em pânico, mas o governo Sartori não parece entender o que ocorre sob o seu nariz. A ênfase de hoje foi a notícia sobre arrastão na Marechal Andréa, rua onde se localizam empreendimentos classe A, do tipo Colégio Província de São Pedro e Savarato Toyota, mas também o perigosíssimo Beco do Resbalo, de onde costumam sair aterrorizantes personagens das mais assustadoras sombras da vida de Porto Alegre.

Sem garantir a vida (um porto-alegrense é roubado e depois assassinado a cada dez dias) e o patrimônio dos encurralados moradores da Capital, as autoridades da área da segurança pública costumam reclamar da falta de registros de ocorrências.

A não ser que seja obrigado para garantir o seguro do carro roubado, até mesmo assassinatos cruéis acabam não sendo registrado pelos familiares e amigos dos gaúchos abatidos como gado nas ruas, como foi o caso do vendedor Fernando Schilling, esfaqueado na segunda-feira à noite no Parque da Redenção.

Ora, a irmã e os amigos de Schilling, esvaído em sangue perto do espelho d'água da Redenção, tentaram chamar a Brigada Militar pelo 190, cansaram de esperar e acabaram levando a vítima para o HPS, ali perto. No HPS, tentaram fazer o Boletim de Ocorrência e não encontraram ninguém no Posto Policial.

As autoridades só ficaram sabendo do assassinato depois que o próprio HPS, bem mais tarde, fez ele mesmo o BO.

O delegado Alexandre Vieira, que hoje prendeu os dois suspeitos, atuou-os em flagrante, mas confessou, irônico:

- O problema é que minutos depois eles estarão soltos.

E ?

E nós vamos continuar sendo roubados e assassinados sem reação alguma ?

É isto ?