Postagem em destaque

A Câmara Federal votou a favor da CORRUPÇÃO...nesta madurgada

quarta-feira, novembro 30, 2016 VERGONHOSO E INFAME: DEPUTADOS PROMOVEM UM GOLPE CONTRA A NAÇÃO BRASILEIRA. Clique sobre...

sábado, 12 de novembro de 2016

"O Pai Patrão e a Tia Diretora" / Vlady Oliver

Vlady Oliver: O Pai Patrão e a Tia Diretora

Por: Augusto Nunes  
Li muito nestes dias, na minha modesta tentativa de entender o fenômeno Donald Trump na eleição norte-americana. Todas as teorias conspiratórias possíveis. Todas as suposições esdrúxulas. Concluí que analistas e jornalistas não estão conseguindo ler, através de conceitos mercadológicos muito simples, o que anda acontecendo na cabeça convulsionada do eleitor de hoje.
Um candidato é um ente audiovisual. A campanha política nada mais é que uma tentativa de “enquadrar” sua imagem em padrões e estereótipos já conhecidos do público. O que vemos é que o político tradicional – terno, gravata e vomitando platitudes – está morto e enterrado no ideário popular, dada a sua imensa rejeição nas urnas. Outras figuras precisam ser exploradas, para sensibilizar este eleitor frustrado.
Neste caldo, é engraçado que, para o pensamento de esquerda, não basta ser “tolerante” com as minorias; é necessário algum tipo de política compensatória com elas, e todas estão em franca decadência no mundo inteiro. A bronca desses dinossauros é que “não há mulheres e negros no governo”, não importando se são honestos ou não. Se são competentes ou não. Basta serem da seita de turno que o marketing se encarregará do resto. Grande engano.
Não me espanta que, sendo o socialismo o modelo doutrinatório que é, faça seguidores justamente nas fábricas de fazer linguiças montadas em nossas escolas e afins. É razoável supor que a idolatria míope dessa gente acabe por incensar a figura da “Tia Diretora da Escolinha”, um personagem histriônico típico, encontrado nas Bezerras, Dilmas, Martas e Hillarys, com tanta frequência. Outro modelo falido.
São os tais “corações impertinentes”, cuja valentia guardada no armário deu lugar, há muito tempo, a um modelo de “gerentona meia-bomba”, que não cai no gosto popular nem matando, pois são falsas como notas de três dólares. Pois a crise econômica pede mesmo hoje a figura do “Pai Patrão”; político que não tenha compromisso com a política (ou que pelo menos assim se apresente), mas sim com o modelo administrativo, posto em falência justamente pelo excessivo doutrinamento de véspera.
De Doria a Trump, passando por Paulo Hartung e outros que o eleitorado identifica primeiro como gestores bem sucedidos (e só depois como fraudes políticas, se é que serão fraudes políticas, pois todos os seus antecessores o foram primeiro, resta evidente que a tal “política compensatória”), temos que ser governados necessariamente por uma mulher, por um negro, por um metalúrgico que perde os dedos no torno ou por um índio que anda de gravador na cintura. Afinal, é o “coletivo” que importa, não o “individual”.
A tese anda totalmente em baixa, diante do individualismo quase exacerbado dos exemplos acima. Pegue uma pessoa qualquer, que estudou, ralou e trabalhou a vida inteira e tente convencê-la a dividir tudo o que conquistou e produziu na vida com aqueles “que não tiveram a mesma sorte”. Por um tempo você até vai conseguir, contando com a boa fé daqueles que cujo coração é solícito. Com o tempo, no entanto, você verá aflorar a verdadeira índole desses “pastores” dos rebanhos de feitos de besta, ao vê-los fazer fortuna sistematicamente rapinando as riquezas alheias.
Bandidos, isso é o que são. Empulhadores. Vigaristas. Gente que precisa ser presa para simbolizar um mínimo de decoro e justiça no trato com a coisa pública de um país. Gente que não resiste ao pente fino da lei. Pois vou querer ver toda a diretoria do parquinho cacarejando atrás das grades. Tenho certeza de que será didático para todos os estudantes. Não é por acaso que Trump tenha citado a Lava Jato como exemplo a ser seguido.
É o Brasil fazendo escola. A escola da roubalheira impune e soltinha da Silva. A tia diretora que pare de roubar os docinhos da festinha infantil. Está pegando mal em todo o planeta.