Postagem em destaque

Slow Motion Bossa Nova - Celso Fonseca & Ronaldo Bastos

Encante-se ...!

sábado, 18 de junho de 2016

Mais do mesmo com o PCdoB e Minha Casa, Minha Vida

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/pcdob-recebia-propina-de-contratos-do-minha-casa-minha-vida-diz-delator


Ministro do esporte Aldo Rebelo

O ex-ministro Aldo Rebelo (Ueslei Marcelino/Reuters/VEJA)
Há duas semanas, VEJA revelou os detalhes da extensa delação premiada que o ex-deputado Pedro Corrêa, um dos corruptos mais antigos em atividade no país, firmou com a Justiça. Confessando seus crimes com a autoridade de um decano da roubalheira, que começou a receber propinas na década de 70 e só foi parado pela Operação Lava Jato, Corrêa desnudou as engrenagens da corrupção nos governos de Lula e de Dilma Rousseff, mas fez mais. Além de comprometer figuras de proa da antiga oposição, como Aécio Neves, e da cúpula do PMDB e do governo interino de Michel Temer - como Geddel Vieira Lima, Henrique Eduardo Alves, Eduardo Cunha, Romero Jucá e Renan Calheiros - Corrêa escancara de vez o esquema de corrupção montado por pretensos partidos "éticos" da política, os virtuosos líderes de esquerda do PCdoB. O cérebro do esquema de corrupção comunista, diz o delator, era o ex-ministro Aldo Rebelo.
Segundo relata Pedro Corrêa no anexo 27 de sua delação, durante o segundo governo Lula, o PCdoB comandou a Diretoria de Produção Habitacional do Ministério das Cidades. Pilotado por Daniel Nolasco, filiado ao PCdoB, o órgão comandava bilionárias verbas do programa Minha Casa Minha Vida. Nolasco, apadrinhado no cargo pelo ex-ministro Aldo Rebelo, operava verbas destinadas a empreiteiras de pequeno porte, que atuavam na construção de casas para a população carente em cidades com menos de 50 000 habitantes.
Enquanto cumpria a nobre missão de realizar o sonho da casa própria para famílias humildes, o militante do PCdoB aproveitava para tocar uma agenda clandestina. Nessa função, nada edificante, cobrava propinas das empreiteiras que iriam construir as moradias populares. Segundo Pedro Corrêa, a taxa praticada no esquema de corrupção girava em torno de 10% a 30% do valor de cada casa construída. O golpe era simples: o diretor do órgão, a quem cabia liberar recursos para os empreiteiros e cobrar a propina, tinha uma empresa, a RCA Assessoria. Depois de o ministério fechar o convênio com a empreiteira e repassar o dinheiro para a construção das casas, os empresários corruptos pagavam a propina negociada com o PCdoB para a RCA.



LEIA MAIS:

O esquema do PCdoB era dividido com o PT e com o PP e operou cobrando propinas na construção de pelo menos 100 000 casas populares. Segundo Corrêa, apenas uma empreiteira com contratos no Maranhão pagou 400 000 reais aos corruptos. Pedro Corrêa conhece os detalhes da roubalheira porque era um dos seus beneficiários. "A propina arrecadada pela RCA era dividida entre o PT, que tinha a Secretaria Nacional de Habitação, pelo PCdoB, que comandava a Diretoria de Produção Habitacional, e pelo PP, que tinha (indicado) o ministro das Cidades", diz Corrêa.






Trecho da delação de Pedro Corrêa que envolve o PCdoB em propinas do Minha Casa, Minha Vida
Trecho da delação de Pedro Corrêa que envolve o PCdoB em propinas do Minha Casa, Minha Vida(VEJA/VEJA)

A delação de Pedro Corrêa já foi concluída e os depoimentos estão no STF para homologação do ministro Teori Zavascki. Em um anexo específico dedicado a Aldo Rebelo e ao PCdoB, o delator revela que o ex-ministro de Lula e de Dilma Rousseff embolsava um terço de toda a propina arrecadada pelo esquema corrupto ao PCdoB. "Aldo Rebello tinha pleno conhecimento de que as nomeações dos indicados pelos partidos da base aliada eram realizadas com o intuito de arrecadação de propina", diz Corrêa.
Procurado, o ex-ministro Aldo Rebelo negou ter feito indicações políticas ao Ministério das Cidades, refutou as declarações de Pedro Corrêa sobre pagamento de propina e avisou que irá processar o delator. "Nunca indiquei nenhum servidor para o Ministério das Cidades. Nunca tive relação, responsabilidade ou contato com indicações que o PCdoB viesse a fazer no governo. As indicações eram partidárias. O Pedro Corrêa vai ser processado. Ele vai ter que apresentar provas do que está dizendo. Esse rapaz foi cassado quando eu presidia a Câmara dos Deputados e provavelmente restou dessa época algum tipo de mágoa ou ressentimento. É a única explicação que eu encontro para tamanho ato de banditismo. Quem cometeu crimes que responda por eles. Não vou permitir que ele envolva meus nomes nessas irregularidades. Se houve irregularidade ou crime, quem cometeu que pague por isso. Nunca tive responsabilidade por indicações do partido", disse Aldo Rebelo.
O ex-ministro não é o primeiro político comunista a surgir na teia de corrupção investigada pela Operação Lava Jato. Nesta semana, depois que o Supremo Tribunal Federal retirou o sigilo sobre a delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, vieram a público as revelações sobre o pagamento milionário de propina para a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).
Machado disse aos procuradores da Lava Jato que Jandira pediu ajuda financeira para sua campanha eleitoral diretamente a ele. O ex-presidente da Transpetro conta então que conseguiu recursos com a empreiteira Queiroz Galvão, que tinha negócios com a Transpetro, para a campanha de Jandira. A deputada explicou que na década de 80 atuou como sindicalista em estaleiros e que, por isso, é "natural" que, ao " procurar recursos" para as campanhas, ela "buscasse os parceiros desta luta". Os parceiros de luta da deputada, agora se sabem, eram corruptos, e os recursos, dinheiro sujo do petrolão.






Trecho da delação de Pedro Corrêa que envolve o PCdoB em propinas do Minha Casa, Minha Vida
Trecho da delação de Pedro Corrêa que envolve o PCdoB em propinas do Minha Casa, Minha Vida(VEJA/VEJA)

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Governo do Rio de Janeiro decreta estado de calamidade pública...

Dornelles, governador interino do Rio, decreta estado de calamidade pública

Motivo é a crise financeira que o estado enfrenta
Pablo Jacob (Foto: Agência O Globo)Francisco Dornelles (Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo)
Carina Bacelar, O Globo
O governador interino do Rio Francisco Dornelles decretou nesta sexta-feira "Estado de Calamidade Pública no âmbito da administração financeira". O decreto foi publicado na segunda edição do Diário Oficial. Na publicação, o governador justifica a medida pela "grave crise econômica que assola o estado", e diz que a crise está impedindo o Rio de "honrar seus compromissos" para a realização da Olimpíada de 2016.
Com a medida, Dornelles admite que "o cumprimento das obrigações assumidas em decorrência da realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016" fica impedido diante da situação financeira do estado. Ele autoriza "as autoridades competentes" a "adotar medidas excepcionais necessárias à racionalização de todos os serviços públicos essenciais, com vistas à realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016".
Confira a íntegra do decreto
"Considerando a grave crise econômica que assola o Estado do Rio de Janeiro, Considerando a queda na arrecadação, principalmente a observada no ICMS e nos royalties e participações especiais do petróleo; considerando todos os esforços de reprogramação financeira já empreendidos para ajustar as contas estaduais; Considerando que a referida crise vem impedindo o Estado do Rio de Janeiro de honrar com os seus compromissos para a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016; considerando o que tal fato vem acarretando severas dificuldades na prestação dos serviços públicos essenciais e pode ocasionar ainda o total colapso na segurança pública, na saúde, na educação, na mobilidade e na gestão ambiental; Considerando que a interrupção da prestação de serviços públicos essenciais afeta sobremaneira a população do Estado do Rio de Janeiro; Considerando que já nesse mês de junho as delegações estrangeiras começam a chegar na Cidade do Rio de Janeiro, a fim de permitir a aclimatação dos atletas para a competição que se inicia no dia 5 de agosto do corrente ano; Considerando, por fim, que os eventos possuem importância e repercussão mundial, onde qualquer desestabilização institucional implicará um risco à imagem do país de dificílima recuperação; (o governador Francisco Dornelles) DECRETA:
"Art. 1º- Fica decretado o estado de calamidade pública, em razão da grave crise financeira no Estado do Rio de Janeiro, que impede o cumprimento das obrigações assumidas em decorrência da realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

João Santana está preso e comanda da prisão equipe de sua agência de marketing para atuar no Senado e cobrir sessões da Comissão do Impeachment

sexta-feira, junho 17, 2016



ATENÇÃO POLÍCIA FEDERAL: JOÃO SANTANA COMANDA DA CADEIA FILMAGEM DE DOCUMENTÁRIO SOBRE O IMPEACHMENT PARA O PT. NÃO SE SABE QUEM FINANCIA.

Equipe do marketeiro do PT, João Santana, que se encontra preso em Curitiba, atua livremente dentro do Congresso Nacional, especialmente na Comissão do Impeachment, filmando o que denominam 'documentário do golpe', segundo revela o jornalista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
O presidente do Senado, Renan Calheiros, talvez sem saber, autorizou o trânsito livre da turma ligada ao marqueteiro João Santana, que está preso, na produção de um “documentário do golpe”, com a visão petista do impeachment. Ao contrário dos jornalistas que fazem a cobertura da Comissão do Impeachment, cujo acesso é restrito, a equipe de Santana tem passe-livre ao Senado só desfrutado por senadores. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
A turma do “documentário do golpe” utiliza como “bases” os gabinetes e até carro oficial dos petistas Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann.
O credenciamento da turma de João Santana foi recusado pela área de Comunicação do Senado. Mas Renan fez exceção à norma padrão.
O grupo do “documentário do golpe” constrange senadores, jornalistas e até assessores. E se recusa a revelar, é claro, quem os financia. Do site Diário do Poder

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Mais um beneficiado na lista de propina de Sérgio Machado: Roberto Requião

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Sérgio Machado inclui Requião na lista de propinas da Petrobrás

No video que o Jornal Nacional mostrou ainda há pouco, o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, contou que o grupo JBS decidiu entregar R$ 40 milhões de propinas para o PMDB.

Um dos senadores beneficiados foi Roberto Requião.

É a primeira vez que Requião, amigo figadal do PT e de Dilma, aparece na lista de Sérgio Machado.

"A Lava Jato é ameaçada, sim! " / José Nêumane

quarta-feira, junho 15, 2016

A Lava Jato é ameaçada, sim! - 

JOSÉ NÊUMANNE

O Estado de S. Paulo - 15/06

Apesar de ter apoio maciço da sociedade brasileira, que tem plena consciência de sua indiscutível importância no combate à impunidade generalizada e na recuperação da decência num ambiente em que a imoralidade é exceção, mas se impõe como regra, a Operação Lava Jato de fato corre o risco de vir a ser extinta. Ou, na melhor das hipóteses, paralisada pelo efeito “pistom de gafieira”, no qual “quem está fora não entra e quem está dentro não sai”.

O aviso, feito pelo coordenador do Ministério Público Federal (MPF) na força-tarefa que assombra 12 entre 10 chefões partidários no País, Deltan Dallagnol, em entrevista a Ricardo Brandt e Fausto Macedo, do Estadão, faz todo o sentido. E não deve ser interpretado como uma mera tentativa de vender o próprio peixe ou de garantir a continuidade de um trabalho do qual, com toda justiça do mundo, ele e a equipe têm todos os motivos para sentir grande orgulho. Ou de ganhar mais tempo para investigar. É, sim, a constatação de um risco que realmente existe, e sua preocupação deve ser a de todos nós que respeitamos a honra da Nação e não temos bandidos de estimação. Convém ficarmos atentos para não vermos cair no vazio a tentativa de extirpar o tumor maligno da corrupção que leva os órgãos de nosso Estado Democrático de Direito a uma eventual falência terminal.

Segundo ele, “é possível e até provável” um governo ou o Congresso pôr fim à Lava Jato, “pois quem conspira contra ela são pessoas que estão dentre as mais poderosas e influentes da República”. As gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado com Renan Calheiros, Romero Jucá, José Sarney e Eduardo Cunha, figurões influentes do PMDB – sigla do vice-presidente no exercício da Presidência, Michel Temer –, não podem mesmo ser confundidas com meros palpites em bate-papos de café. Pois Renan preside o Senado, Jucá foi ministro do Planejamento, Cunha é presidente afastado da Câmara e Sarney presidiu a República e o Senado.

Se as gravações justificam, ou não, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recomendar ao Supremo Tribunal Federal (STF) prender Renan, Jucá e Cunha e pôr tornozeleiras em Sarney é discutível. Mas seu teor explicita tentativa de obstruir o trabalho da polícia e da Justiça para livrar o alto comando político nacional do pavor da perda da liberdade.

Mais grave é que o PT e aliados tomam providências práticas para, se não paralisarem, ao menos prejudicarem a devassa policial e judicial, reduzindo-lhe a independência ou alterando as leis que tornam possível seu êxito. Na Câmara, projeto do deputado Wadih Damous (PT-RJ) tenta reduzir o alcance da colaboração com a Justiça, a “delação premiada”.

Não deve ser esquecida também a conspiração revelada nas gravações que, mui oportunamente, o juiz Sérgio Moro tornou públicas expondo armações do PT, do ex-presidente Lula e da presidente afastada para anular efeitos nocivos da investigação em suas vidas. A decisão do relator da operação no STF anulando seus efeitos jurídicos não lhe altera o teor. Antes de sua divulgação, o ex-presidente tinha instruído sindicalistas a assediarem o juiz, responsabilizando-o pela tragédia de uma crise econômica que destrói negócios e desemprega milhões de trabalhadores. A chefona afastada do comando do desgoverno, Dilma Rousseff, execrou publicamente, e sem razão, informações colhidas em confissões de “desprezíveis” delatores.
O terrorismo corporativista contra a devassa do maior escândalo de corrupção de todos os tempos no planeta inteiro também está anunciado. Caso Renan seja afastado da presidência do Senado, assumirá o posto o petista acriano Jorge Viana. Nos telefonemas ouvidos País afora, Sua Excelência instruiu o advogado de Lula, Roberto Teixeira, a convencer o cliente a desacatar Moro para, como “preso político”, “virar o País de cabeça pra baixo”.

O delirium tremens da bravata colide com a vida real. A convocação de greve geral pelo presidente do PT, Rui Falcão, para sexta-feira passada, reduzida a pífias manifestações (a da Paulista foi anabolizada para fictícios 100 mil militantes), mostra isso. Mesmo irrealista, contudo, a bazófia do vice-presidente do Senado dá uma ideia de como seria sua atuação no julgamento definitivo da “presidenta” dele e na liderança do sujo pacto contra a Lava Jato.

Aliás, essa sabotagem subversiva ao combate à corrupção é traduzida ainda em ação administrativa efetiva da afastada. Neste espaço o advogado Modesto Carvalhosa denunciou várias vezes a edição de medidas provisórias pela sra. Rousseff para atenuar e até anular a Lei Anticorrupção, que ela própria assinara. Resulta de uma desfaçatez nefanda a leniência de empresas flagradas em corrupção explícita, adotada a pretexto do emprego do trabalhador que a corrupção está desempregando (extrema canalhice!), sem obedecer ao princípio básico de que só uma tem direito a gozá-la, mas estendendo-a a todas. E perpetua-se na posição análoga do ministro da Transparência e Controle (denominação marqueteira imprópria para a Controladoria-Geral da União – CGU), Torquato Jardim, que a defende sem corar.

Essa tentativa de trocar pena por dó e justificar delinquência explícita por compaixão atinge os píncaros do paroxismo com a proposta de estender o pacto cínico a partidos políticos, feita, segundo reportagem da Folha de S.Paulo, pelos campeões de condenações da Lava Jato Dirceu e Vaccari. A notícia dá mais razão a Dallagnol. E também ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, que tem motivos para acreditar que o PT terá bilhões para gastar até a campanha de 2038, ainda que a polícia e a Justiça interrompam o saque feito pela organização criminosa que depauperou o País nos últimos 13 anos, 4 meses e 12 dias. E, além disso, explica a defesa do fim do financiamento privado... para os outros partidos, é claro.

*José Nêumanne é jornalista, poeta e escritor

Parece brincadeira ... Dois presos com tornozeleiras, em liberdade condicional, são suspeitos de matar e roubar... / G1

http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2016/06/detentos-com-tornozeleiras-sao-suspeitos-de-cometer-crimes-no-ma.html
16/06/2016 12h56 - Atualizado em 16/06/2016 13h10

Detentos com tornozeleiras são suspeitos de cometer crimes no MA 

Fabio Junior Ribeiro Paulino é suspeito de assaltar pousada em Santa Inês.
Itamar Neves Vieira é suspeito de homicídio contra companheira.

Fabio Junior Ribeiro Paulino e Itamar Neves Vieira cumprem pena alternativa em Santa Inês utilizando tornozeleiras eletrônica (Foto: Reprodução/TV Mirante)
Do G1 MA, com informações da TV Mirante
Fabio Junior Ribeiro Paulino e Itamar Neves Vieira cumprem pena alternativa em Santa Inês utilizando tornozeleiras eletrônica (Foto: Reprodução/TV Mirante)
Em menos de 20 dias dois homens que cumpriam pena alternativa, utilizando tornozeleiras eletrônicas, são suspeitos de envolvimento com crimes no município de Santa Inês, a 250 km deSão Luís.
Fabio Junior Ribeiro Paulino, de 26 anos, está sendo investigado por suspeita de participar de um assalto a uma pousada. O crime teria sido praticado por ele e mais um homem ainda não identificado. Eles teriam chegado de motocicleta e teriam entraram na pousada se passando por clientes. Eles abordaram duas funcionárias que estavam na recepção.
Segundo a polícia, os criminosos além de roubar o dinheiro que havia no caixa ainda agrediram as vítimas e tomaram os aparelhos celulares deles.
Fábio Junior já tem várias passagens pela polícia. A última foi no ano de 2014 quando ele foi suspeito de roubo de uma motocicleta. A Justiça concedeu a ele liberdade provisória e com uso de tornozeleira eletrônica.
O delegado Regional, Ederson Martins, a polícia solicitou à central de monitoramento, situada em São Luís, a localização de Fábio Junior no horário em que ocorreu o assalto. A suspeita de que ele tenha desligado o aparelho.
“Coincidentemente por volta de nove horas ela foi desligada e retornou o seu funcionamento apenas às onze horas. O momento do assalto foi por volta de dez horas quer ele cometeu o assalto em companhia de mais um comparsa. Foi o horário que a tornozeleira estava desligada e não dava para comprovar via tornozeleira que ele estava naquele local”, contou o delegado.
No começo do mês de junho, Francisca da Silva Moura, 21, foi assassinada com uma facada na região da garganta. O suspeito de cometer o crime é Itamar Neves Vieira com quem a vítima mantinha um relacionamento amoroso.
Itamar que havia sido preso em fevereiro deste ano por agredir Francisca ganhou o direito de responder o processo em liberdade usando a tornozeleira eletrônica.
No dia do crime, o suspeito cortou a tornozeleira e jogou fora. Como o aparelho estava ligado foi possível localizá-lo. Quando o preso de Justiça se envolve novamente em situações criminosas ele perde o benefício e retorna ao presídio.
Fabio Junior Ribeiro Paulino e Itamar Neves Vieira cumprem pena alternativa em Santa Inês utilizando tornozeleiras eletrônica (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Mais um estupro coletivo... Agora em escola de Fortaleza e com suspeitos de até 11 anos/ G1

16/06/2016 12h53 - Atualizado em 16/06/2016 12h53

Sete pessoas depõem sobre caso de abuso em escola em Fortaleza 

Polícia investiga se cinco crianças cometeram prática abusiva em colega.
Pais da criança conseguiram declaração de transferência para outra escola.

Do G1 CE
Caso de estupro coletivo ocorreu em escola no Bairro Presidente Kennedy, em Fortaleza, segundo os pais (Foto: TV Diário/Reprodução)Caso de estupro coletivo ocorreu em escola no
Bairro Presidente Kennedy, em Fortaleza, segundo
os pais (Foto: TV Diário/Reprodução)
A polícia ouviu até esta quarta-feira (15) sete testemunhas de um suposto abuso de uma criança de 9 anos ocorrido em escola pública de Fortaleza. Segundo a Polícia Civil do Ceará, as investigações sobre o caso ocorrem em segredo de Justiça e são realizadas em conjunto pelas Delegacias de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dececa) e da Criança e do Adolescente (DCA).
Os pais do aluno de 9 anos denunciam um caso abuso ocorrido dentro do colégio em 6 de junho, supostamente cometido por outros estudantes, com idades entre 9 e 11 anos. Segundo depoimento da mãe à polícia, o garoto já sofria bullying e agressões na escola há dois anos.
"Na segunda-feira [6] eu encontrei meu filho quando fui buscar na escola, ele estava chorando, nervoso, todo se tremendo e eu perguntei o que havia acontecido. 'Os meninos me pagaram e fizeram maldade comigo'. Fiz o b.o. no 34º Distrito, e um policial me levou ao IML. O exame de corpo de delito mostrou que meu filho foi violentado", relatou o pai, dias após o caso. O G1 voltou a tentar manter contato com o pai do estudante, mas as ligações não são atendidas.
Ainda de acordo com os pais, a criança afirmou que foi amordaçada na escola por cinco estudantes, que seguraram os membros e taparam a boca para evitar que criança gritasse, enquanto sofria abuso dentro da escola, no Bairro Presidente Kennedy.

Bullying e agressões
O pai da vítima afirma ainda que a criança havia relatado agressões e bullying na escola há dois anos. A Secretaria Municipal de Educação afirma que abriu sindicância para apurar os relatos dos pais e encaminhou o caso para o Conselho Tutelar. A secretaria afirma ainda que a criança, a família e a escola são acompanhados pela Célula de Mediação Social da Secretaria da pasta.

Na terça-feira (7), um dia após o caso de estupro coletivo, o aluno que sofreu abusos foi transferido de escola, após obter uma declaração de transferência.
tópicos: