terça-feira, 23 de maio de 2017

Qual obra contratada pelo PT foi considerada limpa para a Copa do Mu ndo de Futebol ?

PF prende assessor de Temer e dois ex-governadores do DF http://p.dw.com/p/2dRZH

BRASIL

PF prende assessor de Temer e dois ex-governadores do DF

Com base em delações de executivos da Andrade Gutierrez, Polícia Federal investiga desvios nas obras do Estádio Mané Garrincha, o palco mais caro da Copa do Mundo de 2014.
Natinal Stadion Brasilien (Reuters)
A Polícia Federal deflagrou na manha desta terça-feira (23/05) uma operação que mira uma organização criminosa que fraudou e desviou recursos das obras do Estádio Mané Garrincha, um dos palcos da Copa do Mundo de 2014.
Entre os alvos de mandados de prisão estão dois ex-governadores do Distrito Federal, José Roberto Arruda (PR) e Agnelo Queiroz (PT), e Tadeu Filippelli, um assessor especial do presidente Michel Temer, que atua ainda como presidente do diretório local do PMDB.
A operação é resultado da delação premiada de executivos da empreiteira Andrade Gutierrez, que apontaram a existência de um esquema de corrupção nas obras do estádio.
Em comunicado, a PF apontou o preço espantoso da obra, a mais cara da Copa. "Orçadas em cerca de 600 milhões de reais, as obras no estádio, que é presença marcante na paisagem da cidade, custaram ao fim, em 2014, mais de 1,5 bilhão. O superfaturamento, portanto, pode ter chegado a quase 900 milhões."
Batizada como Operação Panatenaico, a ação desta terça-feira envolve o cumprimento de 15 mandados de busca de apreensão, 10 mandados de prisão temporária, além de 3 conduções coercitivas - todas as diligências estão ocorrendo em Brasília e em regiões próximas. Além dos políticos, a operação tem como alvo agentes públicos, funcionários de construtoras e pessoas suspeitas de atuarem como operadores de propinas.
Os mandados foram autorizados pela 10ª Vara da Justiça Federal no DF. Segundo a PF, o nome da operação é uma referência ao Estádio Panatenaico, sede dos jogos panatenaicos, competições realizadas na Grécia Antiga que foram anteriores aos jogos olímpicos.
A PF também lembrou que o estádio foi construído sem estudos prévios de viabilidade econômica, e que não recebeu empréstimos do BNDES, mas sim da Terracap, uma estatal do Distrito Federal, que hoje encontra-se quase em estado de insolvência. Nesta terça-feira, também foi presa Maruska Lima, ex-presidente da empresa.
Os presos
Os ex-governadores Arruda e Queiroz são figuras notórias na política local. Arruda foi governador do DF entre 2007 e 2010. Acabou caindo em desgraça em 2009 após uma ação da Polícia Federal que revelou um esquema de desvios da administração local. Um vídeo divulgado mostrou Arruda recebendo maços de dinheiro.
 
Assistir ao vídeo02:47

Os "elefantes brancos" da Copa

Então filiado ao DEM, chegou a ficar dois meses presos, sendo o primeiro governador do Brasil a ser encarcerado durante o mandato. Antes desse escândalo, ele já havia renunciado ao cargo de senador em 2001 por causa de envolvimento no escândalo da adulteração do painel de votação do Senado.
Já Agnelo Queiroz assumiu o governo em 2011, em uma aliança entre o PMDB e o PT e na esteira dos meses de caos na política local após a saída de Arruda. Ficou no cargo até o fim de 2014, após ser derrotado quando tentava a reeleição. Em 2016, foi condenado a ficar oito anos inelegível pelo Tribunal Regional Eleitoral por uso de recursos do governo local na sua campanha. Seu vice durante o governo era Filippelli, o futuro assessor de Temer, também alvo da operação desta terça-feira.
Em fevereiro de 2017, o Tribunal Superior Eleitoral analisou o caso novamente e manteve a condenação de Queiroz, mas absolveu Filippelli, entendendo que as contas do ex-governador e do ex-vice deveriam ser julgadas separadamente. O caso vem sendo usado pela defesa de Temer na acao que tramita no mesmo tribunal como um exemplo de que o presidente também deve ter suas contas de campanha de 2014 separadas daquelas da ex-presidente Dilma Rousseff.
Nomeado para o cargo de assessor da Presidência em maio de 2016, Filippelli tinha uma sala no Palácio do Planalto e era chamado por jornais de Brasília como o "homem de confiança" de Temer no Distrito Federal. Em 2015, ele já atuava na assessoria parlamentar da vice-presidência da República, quando Temer ainda ocupava o cargo. Nos últimos meses, seu nome vinha sendo citado para uma possível candidatura ao governo do DF em 2018.