quarta-feira, 5 de julho de 2017

"O Jardim das Aflições" está pronto para visitar as salas de cinema do Brasil...

quarta-feira, julho 05, 2017 "O JARDIM DAS AFLIÇÕES" QUEBRA O TABU MONTADO PELA MÍDIA 'MAINSTREAM' E PELOS CATADORES DE CARAMINGUÁ ESTATAIS  


Olavo de Carvalho e o cineasta Josias Teófilo durante as filmagens de "O Jardim das Aflições", na Virginia, Estados Unidos. 
Não sou um aficcionado do cinema, principalmente pelo fato de que essa expressão cultural que tem Hollywood como emblema foi tomada de assalto pela histeria esquerdista. Há anos que não entro num cinema como também não vejo televisão. Se escrevi sobre cinema aqui no blog nem me lembro mais. Ou melhor, lembro apenas de ter noticiado que o cineasta pernambucano Josias Teófilo estava produzindo um filme sobre o jornalista, filósofo, escritor Olavo de Carvalho. 
O filme foi concluído recentemente e lota as platéias onde é exibido, acendendo a ira da patrulha esquerdista comandada pelos pseudos “cineastas” brasileiros em conluio com o jornalismo chulé da grande mídia.
 Para o desgosto desses demolidores culturais “O Jardim das Aflições” foi o vencedor da 21a. edição do Cine PE, tradicional premiação brasileira no âmbito da produção cinematográfica, como o Melhor Longa-Metragem. A escolha foi feita pelo júri oficial do festival e pelo júri popular, que este ano foi realizado por meio de votação on-line. 


 E por que tanta celeuma em torno desse filme? 


Ora, porque aborda o pensamento de Olavo de Carvalho que dispensa apresentação. Olavo é um ponto fora da curva. Não comunga com a bestialidade que tomou conta da produção cultural brasileira movida com dinheiro público a rodo por meio do deletério Ministério de Cultura. Olavo que na juventude chegou a militar no Partido Comunista, exerceu o jornalismo e abraçou a filosofia tornando-se um filósofo e escritor conservador compulsivo que já produziu uma vastíssima obra.
 Há mais de uma década Olavo de Carvalho mudou-se para os Estados Unidos e antes disso militou na grande imprensa nacional tendo trabalhado em jornais como O Globo, Folha de S. Paulo, Zero Hora, entre outros. Na verdade Olavo foi alvo de uma perseguição inclemente aqui no Brasil pelos seus próprios colegas de redação. Como estou na atividade jornalística há mais de 45 anos, uns 20 anos dentro de redação, afirmo que é justamente no âmbito do jornalismo onde existem os tipos humanos mais estúpidos e boçais que já conheci. Todos eles se encaixam perfeitamente no perfil dos algozes de Olavo de Carvalho. 
As exceções são mínimas e Olavo de Carvalho é uma delas e por isso foi além; muito além da pobreza de espírito encarnada nessa malta que domina a mídia mainstream. Tanto é que apesar de 'O Jardim das Aflições' levar o prêmio máximo da 21a. edição do Cine PE, os auto-intitulados “críticos de cinema” das redações continuam tergiversando e sempre acabam de uma maneira ou de outra tentando desqualificar o filme justamente por enfocar a obra filosófica de Olavo de Carvalho. Seja como for, o fato é que “O Jardim das Aflições” continua lotando cinemas. O filme é um documentário sobre a filosofia de Olavo de Carvalho e mostra a rotina pacata do intelectual paulista, que atualmente reside com sua família na cidade de Colonial Heights, Estado da Virgínia (EUA). 
O filme tem como ponto de partida os temas do livro homônimo publicado por Olavo em 1995. “O Jardim das Aflições” também ganhou o ‘Calunga’ de melhor montagem. Portanto, esse prêmio ao filme “O Jardim das Aflições” transcende à merecida honraria porquanto sinaliza em termos culturais e também político - por que não? - que algo está mudando pela primeira vez no Brasil. Dentre os operadores de destaque dessa mudança estão, entre outros, Olavo de Carvalho e o próprio cineasta Josias Teófilo que desprezou os caraminguás estatais para produzir o filme, valendo-se de campanha por meio de crownd funding pela internet.
 E o mais importante é que o filme de Josias Teófilo é a maior porretada desferida contra o tabu esquerdopata montado pelo jornalismo mainstream e pelos os pretensos donatários da produção cultural. Aluizio Amorim às 7/05/2017 05:49:00 PM