sexta-feira, 31 de julho de 2015

É pior do que pensávamos, avisa ex-ministro

http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=36725411062


CRISE GERAL
'NÃO HAVERÁ CRESCIMENTO ATÉ 2018', AVISA EX-MINISTRO
SAYAD DIZ QUE A CRISE POLÍTICA AGRAVA A SITUAÇÃO DA ECONOMIA
Publicado: 30 de julho de 2015 às 13:02 - Atualizado às 15:16
Redação
  •  
  •  
  •  
   
PARA JOÃO SAYAD, PESADELO DO REBAIXAMENTO ESTÁ MAIS REAL (FOTO: PAULO LIEBERT)


Houve exageros na política econômica do primeiro governo Dilma Rousseff, mas a crise política é destaque na forte recessão deste ano, segundo o economista e ex-ministro do Planejamento João Sayad. Com o aumento do risco de perda do grau de investimento junto às agências de classificação de risco, após a decisão da Standard & Poor's (S&P) de colocar a nota do Brasil em perspectiva negativa na terça-feira, o cenário para a economia fica ainda pior, e não deverá haver crescimento até 2018.

"Fomos colocados em viés de baixa. Quer dizer, o pesadelo está ficando mais real", diz Sayad, doutor pela Universidade Yale e professor da Faculdade de Economia e Administração da USP. A principal consequência da perda do grau de investimento, segundo ele, será uma elevação na cotação do dólar, mas sem permitir ganhos para a indústria exportadora, por causa da fraca atividade econômica.

Como não vê, na situação ou na oposição, líderes políticos capazes de aprovar propostas de mudanças e acredita que uma mudança de governo antes das eleições seria ainda pior para a economia, Sayad descarta uma saída no curto prazo.

"O pessimismo é principalmente político. Temos um País sem lideranças, nem na oposição nem na situação", diz o economista. Há cerca de um mês, o mais recente livro de Sayad, Dinheiro, dinheiro (editora Portfolio Penguin), chegou às livrarias. Na obra, o professor, ex-ministro e ex-secretário municipal e estadual em São Paulo, trata do debate entre "monetaristas" (ou "neoliberais") e "estruturalistas" (ou "desenvolvimentistas"), na interpretação da economia. Para Sayad, o exagero nos gastos públicos foi um erro do desenvolvimentismo implementado no primeiro governo da presidente Dilma. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Qual a consequência de uma possível perda no grau de investimento?

Pode reduzir o fluxo de investimentos externos no Brasil, diretos e financeiros, e isso pode ter impacto sobre a taxa cambial. Se é que esse impacto já não está revelado na elevação do câmbio (após o anúncio da decisão da S&P de manter a nota do Brasil, mas revisando a perspectiva para negativa). Menos dólares para o País exigirão um juro maior.

O principal efeito é nas contas externas?

O número de investidores para o Brasil vai diminuir. Muitos fundos de pensão não podem investir num país que não tenha grau de investimento.

O que o sr. acha que mais pesou da decisão da S&P?

Isso já estava sendo esperado há muito tempo. O ministro da Fazenda vem se empenhando para reduzir o endividamento, ou estabilizar o crescimento da dívida, para não perder o grau de investimento. Nós não perdemos, fomos colocados em viés de baixa. Quer dizer, o pesadelo está ficando mais real.

Como o debate entre monetaristas e desenvolvimentistas se apresenta na atual crise?

Houve um exagero quantitativo na tentativa de melhorar a situação dos mais pobres e da infraestrutura do Brasil. Houve um exagero fiscal por parte do primeiro governo Dilma. Não é segredo que a realidade tem limites. O Brasil não podia aumentar sua demanda sem limites. Esse foi um lado "keynesiano" (referência a John M. Keynes, economista inglês cuja obra, na primeira metade do século 20, influenciou a interpretação desenvolvimentista sobre a economia e defendia a importância do estímulo à demanda) errado, ao meu ver. Agora, estamos vendo a reação dos defensores da moeda, que têm um papel a cumprir, porque se a inflação sai de controle, se o dinheiro começa a perder valor sem limites, temos uma crise pior ainda. Com o receio legítimo da inflação, temos uma reação, que não vai adiantar no momento atual.

A culpa pela retração é da política econômica do primeiro governo Dilma?

Essa retração decorre de um exagero de crescimento da demanda do momento anterior, sem a folga internacional que havia, mas não consigo atribuir uma parcela a cada fator.

Isso explica um pessimismo tão grande e a maior retração em 25 anos?

O pessimismo é principalmente político. Temos um País sem lideranças, nem na oposição nem na situação. Um governo que não consegue aprovar propostas, que não concorda com o Congresso. Um Congresso que perdeu o rumo, não sabe ser oposição, só sabe jogar pedradas nos projetos do governo, independentemente do seu mérito ou não. O Brasil está vivendo, antes da crise econômica, uma crise política.

O sr. vê luz no fim do túnel na solução da crise política?

Acho que nas novas eleições, em 2018, esperando que essa solução apareça durante esta tempestade em que estamos.

Solução em termos de aparecer algum líder?

Um líder, um partido, um conjunto de pessoas, que consiga reunir apoio suficiente para um plano de governo e uma solução política dentro do Congresso. Não vejo isso agora, nem no PT, nem no PSDB, nem no PMDB.

Até as eleições de 2018, vamos conviver com a crise?

Sim, com baixíssimo crescimento (da economia). Eu acredito que a inflação vai cair, o que é ótimo. E vai cair porque está aumentando o desemprego, o excesso de capacidade. A forma pela qual ela vai cair é dolorosa, mas, tendo caído, é ótimo. Agora, o déficit público e a estabilidade do crescimento da dívida não se resolve com essa recessão. (AE)