Postagem em destaque

A Câmara Federal votou a favor da CORRUPÇÃO...nesta madurgada

quarta-feira, novembro 30, 2016 VERGONHOSO E INFAME: DEPUTADOS PROMOVEM UM GOLPE CONTRA A NAÇÃO BRASILEIRA. Clique sobre...

sábado, 2 de abril de 2016

Homem com a mão dentro do abdômen... para evitar amputação // G1 SC

01/04/2016 17h52 - Atualizado em 01/04/2016 18h22

Para evitar amputação, homem ficará com mão dentro do abdômen em SC

'Médico disse: tua mão vai ficar dentro do 'bolso'”, diz paciente em Orleans.
Auxiliar de produção sofreu acidente ao operar máquina durante o trabalho.

Mariana Faraco e Valéria MartinsDo G1 SC
Carlos Mariotti se recupera de cirurgia em hospital de Orleans, no Sul de SC (Foto: Analuze Goulart)Carlos Mariotti se recupera de cirurgia em hospital de Orleans, no Sul de SC (Foto: Analuze Goulart)
Ao chegar ao hospital na noite de terça-feira (29), depois de sofrer um acidente em uma máquina de trabalho em Orleans, no Sul catarinense, o auxiliar de produção Carlos Mariotti, de 42 anos, ouvia de pessoas próximas que perderia a mão esquerda. Ao acordar da cirurgia, porém, soube que não só ainda tinha a mão como ela estava inserida em seu abdômen. “O médico disse: tua mão vai ficar dentro do 'bolso'”, conta Carlos, que é destro.
Nesta sexta (1), ainda hospitalizado, Carlos conseguia sorrir da situação, aliviado depois da dor indescritível que sentiu ao ter a mão puxada por uma máquina de fabricar bobinas. “Fui passar o filme, quando vi a máquina estava puxando minha mão. Gritei duas vezes, ninguém ouviu. Na terceira, eu puxei”, relembra Carlos.
Ele estava sozinho naquele momento, mas logo foi socorrido por colegas. “Uma menina que trabalha lá na frente tinha uma atadura na bolsa, eles amarraram com força, foram os primeiros socorros.” Atendido pelos bombeiros, Carlos foi levado para o hospital.
Paciente ficará seis semanas com a mão dentro do abdomen (Foto: Fundação Hospitalar Santa Otília/Divulgação)Paciente ficará seis semanas com a mão no abdômen
(Foto: Fundação Hospitalar Santa Otília/Divulgação)
Cirurgia
“Ele sofreu uma lesão que é chamada de desenluvamento”, explica o médico ortopedista e traumatologista, Bóris Bento Brandão, que fez a cirurgia para colocar a mão de Mariotti no abdômen. O acidente removeu a pele, mas ossos e tensões foram preservados.
“É uma cirurgia clássica, mas pouca gente faz porque é uma situação especial, é um procedimento de salvação para evitar necrose, quando não há mais nada a fazer”, diz Brandão.
Esta é a primeira vez que o procedimento de salvação de mão é feito na Fundação Hospitalar Santa Otília, único hospital de Orleans. A cirurgia, realizada através do Sistema Único de Saúde (Sus), durou duas horas e o paciente recebeu anestesia no braço e no abdômen.
Se fosse no passado, teriam amputado. Saber que eu ia perdendo a mão e não vou perder mais...Até agora me emociono"
Carlos Mariotti, auxiliar de 
produção
42 dias com a mão no 'bolso'
“No caso da mão, é uma lesão muito grande e delicada. O único lugar que caberia a mão inteira é no abdômen”, conta o médico.
Segundo o especialista, a mão de Mariotti deve ficar por aproximadamente 42 dias “dentro do bolso” para garantir o desenvolvimento de um novo tecido capaz de receber enxerto de pele.
Durante essas seis semanas, Carlos será acompanhado por médicos semanalmente. O paciente já consegue fazer alguns movimentos, que podem ser percebidos por baixo do abdômen. “Isso salva a viabilidade do membro. É como se fosse um bolso. Ele é estimulado a fazer movimentos suaves, para evitar a rigidez da mão”, explica o médico.
“Tenho que cuidar ao máximo para não tirar a mão do ‘bolso’. Se eu quiser puxar, eu puxo, mas ele [médico] colocou na minha cabeça que não posso, e estou cuidando”, diz Carlos, que comemora o fato de conseguir mexer os dedos dentro do corpo. Ele deve receber alta nos próximos dias. Em casa, ficará aos cuidados da mulher.

“Ele vai ter uma mão funcional, vai poder dirigir, comer, mas é uma mão menos sensível”, detalha o médico. “Perdi dois dedos, sei que não vai ficar a mesma coisa, mas vou poder vestir uma camiseta, segurar um talher. Se fosse no passado, teriam amputado. Saber que eu ia perdendo a mão e não vou perder mais...Até agora me emociono”, diz Carlos.