Postagem em destaque

A Câmara Federal votou a favor da CORRUPÇÃO...nesta madurgada

quarta-feira, novembro 30, 2016 VERGONHOSO E INFAME: DEPUTADOS PROMOVEM UM GOLPE CONTRA A NAÇÃO BRASILEIRA. Clique sobre...

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Mais 20 denunciados pela Lava Jato...

sexta-feira, maio 06, 2016


LAVA JATO DENUNCIA MAIS 20, INCLUINDO PETISTAS, EMPRESÁRIOS E JORNALISTA.
Entre os denunciados está o empresário Ronan Maria Pinto, empresário de Santo André/SP, cujo nome aparece com frequência em reportagens sobre a morte do ex-prefeito Celso Daniel, do PT.

Em duas denúncias criminais divulgadas nesta sexta-feira, 6, o Ministério Público Federal acusa 20 investigados de duas fases da Operação Lava Jato.
Em uma das denúncias, entre os novos acusados por corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e obstrução à investigação, estão o ex-senador Gim Argello (PTB-DF), os empreiteiros Marcelo Odebrecht (Odebrecht), Ricardo Pessoa (UTC Engenharia) e Léo Pinheiro (OAS) e outros seis investigados. Segundo a Procuradoria da República, o ex-senador ‘solicitou e recebeu pagamentos indevidos para interferir nos trabalhos de CPIs no ano de 2014′.
Gim Argello foi preso em 12 de abril, na Operação Vitória de Pirro, 28º fase da Lava Jato.
Fotos publicadas pela imprensa e que viralizaram nas redes sociais revelam a amizade entre Dilma e Gim Argello, que costumavam fazer caminhadas juntos nos arredores do Palácio da Alvorada como mostra este flagrante.
“Ficou comprovado que o ex-senador e pessoas próximas, em conluio com dirigentes de empreiteiras envolvidas no megaesquema criminoso instalado na Petrobrás acertaram e promoveram o pagamento de vantagens indevidas entre os meses de abril e dezembro de 2014 com o objetivo de obstruir os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada no Senado e da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) no Senado e na Câmara dos Deputados”, diz nota da força-tarefa.
As CPIs haviam sido abertas para investigar supostos crimes contra a Petrobrás. A Procuradoria informa que constatou que houve acerto de pagamento de propina para evitar a convocação de empreiteiros para prestarem depoimento. Gim Argello era membro da CPI do Senado e vice-presidente da CPMI.
“A ideia era cobrar o montante de R$ 5 milhões de cada uma das empreiteiras envolvidas”, afirma o Ministério Público Federal.
Na outra denúncia, são acusados de lavagem de dinheiro de R$ 6 milhões o empresário Ronan Maria Pinto, de Santo André, e mais 8 investigados, entre eles o publicitário Marcos Valério – operador do Mensalão, além do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. Segundo a força-tarefa, Ronan Maria Pinto ‘está entre os beneficiários de empréstimo fraudulento feito junto ao Banco Schahin em favor do PT’.
O empresário de Santo André foi preso na Operação Carbono 14 – desdobramento 27 da Lava Jato.
Para os investigadores, os R$ 6 milhões fazem parte de um total de R$ 12 milhões emprestados pelo Schahin ao pecuarista José Carlos Bumlai, em outubro de 2004. O próprio Bumlai afirmou à Polícia Federal que o dinheiro foi destinado ao PT. Na época, Delúbio Soares – condenado no Mensalão – era o tesoureiro do partido. Do site do Estadão
DENÚNCIA I
Jorge Afonso Argello (Gim Argello)
Jorge Afonso Argello Junior (filho de Gim Argello)
Paulo César Ramos Roxo Ramos
Valério Neves Campos
José Adelmário Pinheiro Filho
Roberto Zardi Ferreira
Dilson de Cerqueira Paiva Filho
Ricardo Ribeiro Pessoa
Walmir Pinheiro Santana
Marcelo Bahia Odebrecht
Claudio Melo Filho
DENÚNCIA II
Ronan Maria Pinto
Sandro Tordin
Marcos Valério
Enivaldo Quadrado
Luiz Carlos Casante
Breno Altman (Jornalista)
Natalino Bertin
Oswaldo Rodrigues Vieira Filho
Delúbio Soares