terça-feira, 25 de abril de 2017

segunda-feira, 24 de abril de 2017

sábado, 22 de abril de 2017

sexta-feira, 21 de abril de 2017

quinta-feira, 20 de abril de 2017

terça-feira, 18 de abril de 2017

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Estes caras merecm o título de médicos?

http://desacato.info/o-que-acontece-com-as-mulheres-que-denunciam-fotos-de-futuros-medicos-misoginos/

Hungria denuncia manobra de globalização de Soros que prejudica seu país

http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2017/04/premier-hungaro-denuncia-manobra.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+BlogDoAluizioAmorim+(BLOG+DO+ALUIZIO+AMORIM)&m=1

domingo, 16 de abril de 2017

Últimas notícias do UOL

Opinião: articulação de FHC, Temer e Lula beira formação de quadrilha. Veja mais no UOL. Acesse: http://uol.com/bvj91H

"Formação de quadrilha", Elio Gaspari. ..

Opinião: articulação de FHC, Temer e Lula beira formação de quadrilha. Veja mais no UOL. Acesse: http://uol.com/bvj91H

'Força da Gravidade' ajuda João Doria ...

Delação dá força a Doria na corrida presidencial http://a.msn.com/r/2/BBzT9qv?m=pt-br&a=1

Hobby dos homens faz dezenas de mortos neste domingo na Síria

Número de mortos em atentado na Síria sobe para 126; ao menos 68 eram crianças http://a.msn.com/r/2/BBzUaX6?m=pt-br&a=1

Jovem pede para ser preso. ..

Jovem insiste em ir preso no interior de São Paulo http://a.msn.com/r/2/BBzTRAR?m=pt-br&a=1

Mais sacanagem contra a nação brasileira

http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2017/04/urgente-senado-pode-abrir-as-fronteiras.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+BlogDoAluizioAmorim+(BLOG+DO+ALUIZIO+AMORIM)&m=1

sábado, 15 de abril de 2017

Revelação mostra que era assalto. ..

http://g1.globo.com/politica/operacao-lava-jato/noticia/setor-de-propinas-da-odebrecht-movimentou-us-33-bilhoes-de-2006-a-2014-diz-delator.ghtml

Odebrecht pagava "pedagio" ...

http://g1.globo.com/politica/operacao-lava-jato/noticia/marcelo-odebrecht-diz-que-pagou-r-24-milhoes-via-caixa-2-para-quatro-partidos.ghtml

Constituinte ecclusiva ... !

http://g1.globo.com/politica/blog/blog-do-camarotti/post/ex-presidente-da-oab-propoe-constituinte-exclusiva.html

Lula e seu cartão de crédito ou seria de débito?

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,de-jararaca-a-crocodilo,70001738239

Charge de Sponholz

https://4.bp.blogspot.com/-62uzGiFn8WY/WPAQF0ZxdFI/AAAAAAAAzvg/Zr3xTwfApcs1wsYgz4OzjAx5UQFmdjlLQCLcB/s1600/spon-lula-no-lombo-odebrecht.jpg

"No picadeiro" / J R Guzzo

http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/j-r-guzzo-no-picadeiro  

Quando o cidadão ouve alguma figura pública brasileira dizer que prevaleceu o bom-senso, pode ter certeza de que estão lhe batendo a carteira 

terça-feira, 11 de abril de 2017

Londres, a capital europeia do Islão. ..

http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2017/04/londonistao-423-novas-mesquitas-500.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+BlogDoAluizioAmorim+(BLOG+DO+ALUIZIO+AMORIM)&m=1

domingo, 9 de abril de 2017

Charge de Sponholz no blog de Aluizio Amorim

Sponholz sabe das coisas 

"Lula e a lei"... Mary Zaidan

http://noblat.oglobo.globo.com/artigos/noticia/2017/04/lula-e-lei.html

Lula assustado (Foto: Arquivo Google)
Lula e a lei
POR MARY ZAIDAN



Roberto Pompeu de Toledo na coluna de Augusto Nunes / Veja

http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/roberto-pompeu-de-toledo-hora-do-recreio/


"Nem o inimigo é dos bons... Carlos Brickmann na coluna de Augusto Nunes

http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/nem-o-inimigo-e-dos-bons-e-outras-5-notas-de-carlos-brickmann/

“Nem o inimigo é dos bons” e outras 5 notas de Carlos Brickmann

Para Renan, é bom brigar com Temer: o Governo tem baixa popularidade, e talvez seja melhor, em Alagoas, dispor do apoio de Lula

Empresa de um salário mínimo de capital social compra organização hospitalar de 11 milhões e 500 mil reais. ..

http://www.jornalterceiravia.com.br/2017/04/09/quem-comprou-o-prontocardio/#.WOpZ7zkN7bg.whatsapp 

prontocardio

sábado, 8 de abril de 2017

"Inteligência que dá medo", Mary Zaidan no blog de Ricardo Noblat


POLÍTICA

Inteligência que dá medo

Medo (Foto: Arquivo Google)
Condenado a mais de 15 anos de cadeia, o ex-deputado Eduardo Cunha volta a assustar. Não porque tenha poder de fogo – é carta fora do baralho, teria dificuldades até mesmo para firmar um acordo de delação premiada --, mas pelo teor da sentença que o condenou. A peça confronta a sofisticação dos crimes cometidos com os avançados padrões de inteligência para rastreá-los, com indiscutível vitória da investigação.
A leitura da sentença é didática. Em 536 tópicos, 109 páginas, o juiz Sérgio Moro resume as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, realizadas com apoio da Suíça, indicando cada um dos documentos comprobatórios da acusação.
A remessa para Cunha de dinheiro originário da compra, pela Petrobras, de um campo de exploração em Benin, na África, feita em parceria com uma empresa sem qualquer expertise no setor e muito menos fundos, e que não produziu uma única gota de óleo.  O cruzamento entre contas bancárias oficiais e não declaradas mantidas no exterior com cartões de crédito e de compras, de depoimentos, telefonemas, contas de terceiros citados pela defesa do ex-deputado, dados da Receita Federal. Tudo ali unido, pontos e pontas.
Provas fartas, difíceis de serem rebatidas. Desmoronamento de falsos álibis e das teses de nulidade pretendidas pela defesa, a maior parte delas, como Moro faz questão de citar, negada pelo então relator da Lava-Jato no Supremo, ministro Teori Zavascki, morto há pouco mais de dois meses.
A sentença mete medo porque não há acusação sem prova. Nem mesmo apoio na tese de domínio de fato, tão contestada na época do mensalão. Não se embasa em relatos de delatores (embora os use para corroborar os delitos), mas em documentos, extratos, assinaturas.
E como os investigadores e a origem dos delitos são os mesmos, fica claro que também será assim no Supremo para aqueles que gozam de privilégio de foro.
Ainda que já tivessem sido alertados para o requinte que as investigações adquiriram, políticos enrolados com a Lava-Jato aparentemente continuavam sem crer nisso. Especialmente os que passaram ao largo do mensalão, processo restrito à instâncias superiores, sem a montagem de uma equipe especial de primeiro grau para as apurações. Na época, também não se viu colaboração internacional do porte da que se tem hoje.
Tanto é assim que a roubalheira não cessou pós-mensalão. Como as penas mais severas recaíram para os operadores do esquema e não para os políticos, imaginava-se que mesmo diante de um escândalo de maiores proporções valeriam as regras da impunidade e da incapacidade de a investigação produzir provas.

"O Brasil no golpe venezuelano"... Ruy Fabiano

O Brasil no golpe venezuelano


Brasil e Venezuela (Foto: Arquivo Google)
A crise da Venezuela tem raízes brasileiras. Quando o Foro de São Paulo fez 15 anos, em 2005, Lula, então na presidência da República, gabou-se de estar na origem do advento de Hugo Chavez.
E estava. Ali o conheceu, no início das reuniões do Foro e engajou-se no processo político que o levou à presidência em 1998, com reeleições em 2000 e 2006. Só a deixou morto. Nicolas Maduro, seu sucessor, foi – e continua sendo - apoiado por Lula, Dilma e PT.
Hoje, esse apoio, é apenas simbólico, já que o PT está fora do poder. Mas, quando estava, foi bem mais amplo - ideológico, logístico e financeiro. Dinheiro público brasileiro bancou o projeto bolivariano chavista, um socialismo cucaracha, que serviria de substrato doutrinário à Pátria Grande, a união socialista do continente.
O BNDES financiou obras de infraestrutura e bancou campanhas eleitorais (e não só lá, mas nos demais países ideologicamente alinhados), com dinheiro roubado da Petrobras, intermediado por propinas veiculadas, entre outras, pela Odebrecht.
Quando a caixa preta do BNDES for, enfim, aberta, mais detalhes virão à tona. Presentemente, o TCU examina contratos irregulares daquele banco, para obras de infraestrutura a países bolivarianos, que montam a mais de R$ 1 trilhão.
Até os serviços de marketing político, que por aqui vendiam ilusões populistas, foram cedidos aos aliados. A Venezuela era uma espécie de laboratório do que se preparava para o Brasil, num segundo estágio do projeto petista, interrompido pelo impeachment.
As urnas eleitorais, aqui utilizadas, cuja vulnerabilidade a manipulações os especialistas atestam – e que põem sob suspeita a reeleição de Dilma -, vieram da Venezuela. Foram rejeitadas em países como os Estados Unidos e Alemanha, mas por aqui foram – e continuam sendo – elogiadas pela Justiça Eleitoral.

Frase do dia no blog de Ricardo Noblat / Gilmar Mendes

FRASE DO DIA
Se não houver interrupção neste processo (aumento da corrupção no Estado), o Brasil será amanhã o grande Rio de Janeiro.

GILMAR MENDES

MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

A Impunidade tem relação direta com os assassinatos. ..

http://noticiaurbana.com.br/campos-e-a-19a-cidade-mais-violenta-do-mundo-diz-ranking-internacional/

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Lançamento de nova versão da base curricular para ensino infantil gera desconforto intelectual...

http://g1.globo.com/educacao/noticia/3-versao-da-base-curricular-para-ensino-infantil-e-fundamental-e-apresentada-conselho-vai-avaliar.ghtml#G1-FEED-SMART-item-sel-5,editorial,21825920048

terça-feira, 4 de abril de 2017

Mais do hobby dos homens. ..

https://www.google.com.br/amp/www.telegraph.co.uk/news/2017/04/03/saintpetersburg-bombing-casualties-explosion-metro-train/amp/

sexta-feira, 31 de março de 2017

Frases ... / Sergio Moro no blog de Ricardo Noblat


FRASE DO DIA

A responsabilidade de um parlamentar federal é enorme e, por conseguinte, também a sua culpabilidade quando pratica crimes. Não pode haver ofensa mais grave do que a daquele que trai o mandato parlamentar e a sagrada confiança que o povo nele depositou para obter ganho próprio.


SÉRGIO MORO

NA SENTENÇA EM QUE CONDENOU EDUARDO CUNHA A 15 ANOS DE PRISÃO

quarta-feira, 29 de março de 2017

Medo, um protagonista que serve a todas as ideologias

http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2017/03/a-nefasta-acao-esquerdista-podera.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+BlogDoAluizioAmorim+(BLOG+DO+ALUIZIO+AMORIM)&m=1

Mais daquilo que todos desconfiavam

https://news.google.com.br/news/amp?caurl=http%3A%2F%2Fg1.globo.com%2Fmato-grosso-do-sul%2Fnoticia%2F2017%2F03%2Ftraficantes-de-6-estados-sao-alvos-da-pf-e-tem-r-75-bilhoes-sequestrados.amp#pt0-743851

Síndrome de política econômica "polianesca" chega aos tribunais da Razão. A Caixa Econômica poderá fechar 120 agências

https://news.google.com.br/news/amp?caurl=http%3A%2F%2Fg1.globo.com%2Fgoogle%2Famp%2Fg1.globo.com%2Feconomia%2Fnegocios%2Fnoticia%2Fcaixa-economica-podera-fechar-ate-120-agencias-em-2017-diz-presidente.ghtml#pt0-69916

Caixa Econômica poderá fechar até 120 agências em 2017, diz presidente

Alternativas são fechamento, fusão, diminuição da estrutura ou remanejamento para outro local. Demissão voluntária deve ter adesão de 5.000 funcionários.


Agência da Caixa Econômica Federal no centro do Rio de Janeiro.  (Foto: REUTERS/Pilar Olivares/File)Agência da Caixa Econômica Federal no centro do Rio de Janeiro.  (Foto: REUTERS/Pilar Olivares/File)
Agência da Caixa Econômica Federal no centro do Rio de Janeiro. (Foto: REUTERS/Pilar Olivares/File)
A Caixa Econômica Federal informou nesta terça-feira (28) que cerca de 100 a 120 unidades deficitárias passarão por uma "intervenção" neste ano. Durante entrevista coletiva em São Paulo, o presidente da instituição, Gilberto Occhi, disse que as alternativas são fechamento, fusão, diminuição de estrutura ou remanejamento para outro local.
Essa intervenção vai acontecer "tão logo tenhamos a finalização do processo de demissão voluntária (PDV)", disse Occhi. Ele calcula a adesão de 5 mil funcionários. ⁠⁠⁠ De acordo com Marcos Jacinto, vice-presidente de Gestão de Pessoas, a economia com o PDV é estimada em R$ 975 milhões.
Além disso, a Caixa está recorrendo na Justiça sobre a convocação de 2 mil aprovados em concursos públicos, segundo Jacinto.
De acordo com Occhi , haverá ainda a reestruturação das áreas da Caixa, com a participação das vice-presidências no processo.
De acordo com o presidente do banco, não faz parte dos planos da Caixa qualquer venda de ativos. "O foco do banco é melhorar a eficiência reduzindo as despesas", ressalta Occhi.
Presidente da Caixa Gilberto Occhi, durante coletiva de imprensa de apresentação do balanço de 2016. (Foto: Marta Cavalini/G1)Presidente da Caixa Gilberto Occhi, durante coletiva de imprensa de apresentação do balanço de 2016. (Foto: Marta Cavalini/G1)
Presidente da Caixa Gilberto Occhi, durante coletiva de imprensa de apresentação do balanço de 2016. (Foto: Marta Cavalini/G1)
Em todo o país, a Caixa afirma ter 4,2 mil agências e postos de atendimento.
Occhi lembrou que a Caixa teve um crescimento exponencial depois de 2010, com a abertura de novas agências - o salto foi de 2.300 para 4 mil unidades no país. "Tomou-se a decisão de ir para o mercado e abrir novas agências. A Caixa se expandiu no mercado de crédito pois havia demanda", afirma. Segundo ele, esse cenário mudou e o que o banco busca é a eficiência em suas operações.

Lucro menor

A Caixa Econômica anunciou mais cedo ter registrado um lucro líquido de R$ 4,1 bilhões em 2016. No ano anterior, os ganhos haviam chegado a R$ 7,2 bilhões. A queda é de 43% de um ano para o outro. Só no quarto trimestre de 2016, o banco teve lucro líquido de R$ 691 milhões.
O índice de inadimplência encerrou dezembro em 2,88%, um recuo de 0,7 ponto percentual em 12 meses. De acordo com o bano, no ano, as despesas de provisão para devedores duvidosos chegaram a R$ 20,1 bilhões, um crescimento de 2,3% em relação ao mesmo período de 2015.
Em 2016, o saldo da carteira de crédito ampla cresce 4,4%, chegando a R$ 709,3 bilhões. Segundo a Caixa, o crescimento das operações de habitação, saneamento e infraestrutura e crédito consignado, que possuem baixo risco, foram os principais responsáveis para o aumento da carteira. No final do ano, a Caixa possuía R$ 2,1 trilhões em ativos administrados, com destaque para seus ativos próprios (R$ 1,3 trilhão).

Mais fechamentos

Em novembro do ano passado, o Banco do Brasil também anunciou um conjunto de medidas de reorganização institucional, que previa o fechamento de agências e um plano de extraordinário de aposentadoria incentivada. OBanco do Brasil conseguiu que mais de 7.000 funcionários aderissem ao plano de aposentadoria.

Habitação

A Caixa poderá reestruturar a taxa de financiamento com a queda da taxa básica de juros Selic. O banco prevê a retomada de demanda imobiliária com maior captação da poupança.
A Caixa tem orçamento preliminar de R$ 80,8 bilhões para habitação este ano, mas que pode ser aumentado dependendo de decisão do Conselho Curador do FGTS. No ano passado foi de R$ 90 bilhões, sendo que foram usados R$ 81,8 bilhões, garantindo 620 mil unidades contratadas em 2016, de acordo com Nelson Antônio de Souza, vice-presidente de Habitação da Caixa.
Segundo Occhi, independente dos saques do FGTS e da alteração das linhas de crédito no programa Minha Casa Minha Vida, o FGTS tem funding (recursos) suficiente para atender a todas as demandas.
Ele diz que com a redução da taxa Selic para 12,25%, a retomada da captação líquida da poupança poderá alavancar as operações de crédito no setor.
"Com redução da taxa Selic há retomada da captação líquida da poupança e a Caixa pode reestruturar uma nova taxa de juros, mas aguardamos como o reflexo da taxa Selic poderá impactar na captação líquida da poupança", diz.
Segundo Occhi, a Caixa tem 67% do crédito do mercado imobiliário brasileiro, e ele prevê que o mercado de crédito terá uma retomada pela demanda como consequência do aumento dos depósitos da poupança.
Em São Paulo, segundo Occhi, haverá uma série de investimentos em parceria para crédito habitacional. Entre as iniciativas está a comercialização das unidades financiadas pelos corretores e o banco fazendo o pagamento da taxa de corretagem. Além disso, a Caixa não estuda o aumento da cota de financiamento, mas melhores taxas para financiamento.
Cerca de 24 mil unidades que foram retomadas poderão ser vendidas de forma direta pelos corretores no país, após passarem por leilões da Caixa, segundo Souza.

Recessão

Durante entrevista coletiva em São Paulo para falar do balanço, Arno Meyer, vice-presidente de Finanças e Controladoria da Caixa, informou que a queda de 43% no lucro líquido de 2015 para 2016 foi em virtude da recessão econômica.
Segundo Gilberto Occhi, o banco não trabalha com a hipótese de recorrer a aporte de capital de seu controlador, que é o governo federal. “Se pudesse antecipar, 2017 com certeza seria melhor que 2016. Estamos na direção correta na busca da melhor eficiência e melhores resultados”, disse o presidente do banco.
Occhi informou que o objetivo para os próximos períodos continua sendo reforçar a melhoria da eficiência e sustentabilidade com o melhor uso do capital nas operações de crédito para ter uma carteira mais qualificada. “A força motriz da Caixa é o crédito”, disse.
De acordo com Arno Meyer, 52% da receita da Caixa vem das operações de crédito. Dos ativos administrados, a maior parte da receita vem do FGTS. E a principal fonte de recursos é a poupança, seguida de empréstimos e repasses e do FGTS. “A redução da taxa Selic não afeta esses recursos”, disse Meyer.
O índice de inadimplência de 2,88% é o menor do mercado, segundo Meyer, devido à carteira de crédito de baixo risco.
A receita de operação de crédito da Caixa vem principalmente da carteira de habitação e comerciais.
Segundo Meyer, o lucro é a menor fonte de capital de uma instituição. “O desafio do banco é aumentar a rentabilidade e fortalecer a estrutura de capital”, disse.