Postagem em destaque

Slow Motion Bossa Nova - Celso Fonseca & Ronaldo Bastos

Encante-se ...!

sábado, 13 de outubro de 2012

Interior do Estado do Rio está importando bandidos dos morros da capital


Ocupação

Cinco suspeitos são mortos pelo Bope em favela do Rio

PM afirma ter recebido uma denúncia de que traficantes do Complexo do Manguinhos, que receberá uma UPP, teriam fugido para o morro do Juramento

Homens do Bope trocaram tiros com bandidos na Favela de Manguinhos, no subúrbio do Rio
Homens do Bope preparam ocupação do Complexo do Manguinhos, no subúrbio do Rio (Paulo Alvadia/Ag. O Dia)
Cinco suspeitos de tráfico de drogas foram mortos por policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) durante um tiroteio no morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na zona norte do Rio, por volta das 4h da manhã deste sábado. A PM afirma ter recebido uma denúncia de que traficantes do Complexo de Manguinhos, comunidade da mesma região que será ocupada pelas forças de segurança na madrugada deste domingo, haviam fugido para o Juramento.
Ao chegar ao morro, os policiais foram recebidos a tiros e revidaram, diz a PM. Cinco suspeitos foram atingidos e chegaram a ser encaminhados ao Hospital Estadual Getúlio Vargas, onde morreram. Foram apreendidas uma submetralhadora, três pistolas e três granadas. O caso foi registrado na 38ª DP (Brás de Pina).
A PM admite a possibilidade de traficantes de Manguinhos tentarem fugir da região antes da ocupação, que precede a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na comunidade.
'Faixa de Gaza' - As polícias Militar e Civil do Rio de Janeiro preparam, para as primeiras horas do próximo domingo, mais uma ocupação de favelas na cidade. O alvo, desta vez, é a chamada "Faixa de Gaza" carioca, uma região de quatro grandes favelas na zona norte que concentra pontos de venda de crack, serve de esconderijo para traficantes e quadrilhas de roubo de carro e assaltos.
A ocupação, a exemplo do que aconteceu em outras grandes favelas como Alemão e Rocinha, é o primeiro passo para a criação de uma UPP. Com o avanço para essa área da cidade - as favelas de Manguinhos, Jacarezinho, Varginha e Nelson Mandela -, as grandes quadrilhas de traficantes são empurradas para a periferia do Rio.
(Com Agência Estado)

"Moriré haciendo periódicos en papel"...

Participação do principal dirigente de El País fala na Assembléia da Sociedade Interamericana de Imprensa que morrerá fazendo jornal impresso...

COMUNICACIÓN

Juan Luis Cebrián: “Moriré haciendo periódicos en papel”

FRANCHO BARÓN Sao Paulo
El presidente del grupo PRISA defiende la integración digital de EL PAÍS en la Asamblea de la Sociedad Intermericana de Prensa

Yoani Sánchez e sua prisão..."...esa revisión perseguía el objetivo de dejarme con una sensación de violación, de estupro..."


                                 Rumpelstiltskin

Imagen de Anna-Kafka. Tomada de devianart.com
Rumpelstiltskin, por Anna-Kafka. Tomada de devianart.com
El sudor de aquellas tres mujeres que me metieron en un auto policial aún lo tengo pegado en la piel y bien adentro en las fosas nasales. Grandes, corpulentas, implacables, me llevaron hacia aquel cuarto donde no había ventanas y el deshecho ventilador sólo echaba fresco hacia ellas. Una me miraba con especial sorna. A lo mejor mi rostro le recordaba a alguien en el pasado: una adversaria en la escuela, una madre despótica, una amante perdida. No sé. Lo que sí recuerdo es que, en la tarde del 4 de octubre, su mirada quería destruirme. Fue ella la que hurgó bajo mi saya con mayor deleite, mientras otras dos uniformadas me agarraban para hacerme la “requisa”. Más que buscar algún objeto escondido, esa revisión perseguía el objetivo de dejarme con una sensación de violación, de indefensión, de estupro.
Cada seis horas cambiaban a mis guardianas. En el turno de la medianoche se notaban menos estrictas, pero yo me encerré en mi mutismo y nunca respondí a sus preguntas. Me evadí en mí misma. Opté por decirme: “me han quitado todo, hasta la hebilla para sujetarme la melena, pero –ridículos requisadores- no han podido arrebatarme mi mundo interior”. Así que decidí refugiarme, durante las largas horas de un encierro ilegal, en lo único que tenía: mis recuerdos. La habitación quería parecer ordenada y limpia, pero cada cosa llevaba su dosis de suciedad o rotura. El piso de losas de granito claro venía cubierto de una buena dosis de mugre acumulada. Me quedé mirando las figuras que conformaban las pequeñas piedrecitas fundidas en cada baldosa y los pegotes de suciedad. Después de un rato, de aquella constelación saltaban los rostros. Los personajes afloraban en el suelo tosco de mi calabozo del Departamento de Instrucción de Bayamo.
Allá brotaba el larguirucho semblante del Quijote, mientras en esta esquina alcancé a ver el sencillo perfil del Bobo de Abela. Unos ojos oblicuos, formados con la argamasa y la gravilla, se parecían increíblemente a los de la protagonista del filme Avatar. Yo me reía y mis perennes vigilantes empezaban a creer que mi negativa a probar alimentos o agua me estaba friendo literalmente el cerebro. Atisbé en el irregular granito al Jorobado de Notre Dame y a la esbelta figura de Gandalf, con báculo y todo. Pero por sobre todas aquellas formas que brotaban de tan tosco pavimento había una –más intensa- que parecía brincar y reírse frente a mis ojos. Quizás era el efecto de la sed o el hambre, la verdad es que no sé. Un enano de barba larga y mirada cínica se burlaba pícaramente.
Era Rumpelstiltskin, el protagonista de un cuento infantil donde la reina está obligada a adivinar su complicado nombre o de lo contrario deberá entregar al despótico enano su posesión más preciada: su propio hijo. ¿Qué hacía aquel personaje en medio de mi encierro temporal? ¿Por qué lo veía a él por encima de otras tantas referencias visuales que he acumulado en mi vida? La respuesta la intuí inmediatamente. “Eres Rumpelstiltskin”, le dije en voz alta y mis cancerberas me miraron preocupadas. “Eres Rumpelstiltskin –repetí- y sé cómo te llamas”. “Eres como las dictaduras, que una vez que uno empieza a llamarlas por su nombre, es como si comenzara a destruirlas”.

Críticas ao modelo de governo de Chávez por Álvaro Uribe


sábado, outubro 13, 2012


ÁLVARO URIBE: O MODELO CHÁVEZ É CONTRÁRIO ÀS LIBERDADES E AO ESTADO DE DIREITO.


Este vídeo traz uma entrevista à CNN concedida pelo ex-presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, que faz uma crítica oportuna ao governo do caudilho Hugo Chávez, que acaba de ser reeleito na Venezuela, e o acusa de atentar contras as liberdade e os direitos fundamentais.

"Tenho lutado permanente contra o modelo Chávez, porqueo modelo Chávez tem abrigado terroristas colombianos na Venezuela. O modelo Chávez é contrário às liberdades e contrário ao estado de direito", afirmou Uribe nesta entrevista à CNN que marcou o lançamento de seu livro "Não há causas perdidas", cuja edição em inglês já está disponível nas livrarias dos Estados Unidos.

Transcrevo o resumo da entrevista no original em espanhol. Vale pena ver a entrevista deste que é considerado um dos mais importantes líderes latino-americanos que luta contra o terror comunista acolhido pelos governos do Foro de São Paulo, organização da qual o PT e os mensaleiros fazem parte.

EN ESPAÑOL - El expresidente de Colombia, Álvaro Uribe, criticó duramente al gobierno de Hugo Chávez, a escasos días de su reelección en Venezuela, acusándolo de atentar contra las libertades y los derechos fundamentales 

"Yo he luchado permanentemente contra el modelo Chávez, porque el modelo Chávez ha albergado a los terroristas colombianos en Venezuela. Y el modelo Chávez es un modelo contrario a las libertades contrario al estado de derecho", dijo Uribe en entrevista con CNN en Español, con motivo del lanzamiento de su libro "No hay causas perdidas", cuya edición en inglés está ya disponible en el mercado de Estados Unidos.

Con respecto a la situación actual de Colombia, dijo que durante su gobierno el país iba bien, pero se mostró preocupado por el presente.

"Cuando yo llegué a la presidencia, las FARC tenían cerca de 30.000 personas; cuando terminó nuestro gobierno cerca de 6.800. Si hubiera seguido ese proceso de reinserción que tuvimos en nuestro gobierno, hoy no debería de haber más de 2.000 personas en las FARC. Sin embargo, hay entre 8 y 9 mil porque el gobierno de alguna forma ha descuidado la seguridad en estos dos años por asignarle toda la importancia al diálogo con el terrorismo", dijo Uribe.

El exmandatario también se defendió de las acusaciones que lo vinculan con el paramilitarismo argumentando que su lucha "fue con todas las organizaciones criminales. Nosotros desmontamos los paramilitares, debilitamos las guerrillas, debilitamos sustancialmente el narcotráfico que los alimenta a todos", dijo y aseguro además que se arrepiente no haber puesto fin a los intentos de otros para buscar su tercera reelección.

Finalmente, sobre su futuro, Uribe dio a entender que va a seguir en la política.
"Yo aspire a la presidencia no buscando el honor de ser presidente. Yo he sido un luchador, un combatiente, he creído en tres ideas fundamentales que llamo el equilibrio democrático: que son las seguridad, la política de inversión, la política social, la austeridad del estado, tengo que hacer política por mis compatriotas y mientras tenga energía, ¿por qué me voy a retirar de la política?" Do site da CNN emm espanhol

Chip ajuda dona a encontrar cadela sumida a 5 anos...

http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2012/10/dona-reencontra-cadela-shakira-que-estava-sumida-havia-quase-5-anos.html

13/10/2012 14h00 - Atualizado em 13/10/2012 14h00

Dona reencontra cadela 'Shakira' que 




estava sumida havia quase 5 anos


Cadela foi achada porque 'Shakira' tinha chip de identificação.
'Pensei que alguém estava fazendo uma brincadeira', disse dona.

Do G1, em São PauloHeather Jackson reencontrou após quase 5 anos sua cadela de estimação chamada 'Shakira'. (Foto: Divulgação/McHenry County)Heather Jackson reencontrou após quase 5 anos sua cadela de estimação chamada 'Shakira'. (Foto: 
A americana Heather Jackson reencontrou sua cadela de estimação chamada "Shakira", de seis anos, quase cinco depois de ela ter desaparecido, segundo reportagem  do jornal "Daily Herald".


Com humildade, todos podemos mudar... até um país pode!

http://revistaepoca.globo.com/Saude-e-bem-estar/cristiane-segatto/noticia/2012/10/minha-filha-me-reprogramou.html

Minha filha me reprogramou

Filhos renovam os pais. Em vez de resistir, aprenda com eles

CRISTIANE SEGATTO  
CRISTIANE SEGATTO  Repórter especial, faz parte da equipe de ÉPOCA desde o lançamento da revista, em 1998. Escreve sobre medicina há 15 anos e ganhou mais de 10 prêmios nacionais de jornalismo. Para falar com ela, o e-mail de contato é cristianes@edglobo. (Foto: ÉPOCA)

Volto para casa depois de um dia de trabalho e encontro minha filha, de pijama e toalha na cabeça, esparramada no sofá. Esparramada, mas não exatamente relaxada. Os pés descansavam sobre o braço de tecido acolchoado, mas as mãos e o cérebro trabalhavam com velocidade. Sem que ela tirasse os olhos do iPad, trocamos algumas palavras.
- Não dá para falar agora, mãe. Preciso terminar esse vídeo até amanhã.
Alguns dias antes, minha menina de 12 anos havia pedido para comprar, com meu cartão de crédito, um programa para ajudá-la a produzir vídeos no tablet.
Em cima da cama, a montanha de álbuns da infância, recheados de fotos em papel, dava uma pista do projeto que a mantinha tão concentrada. Quando ela finalmente explicou do que se tratava, sorri por dentro. Feliz, orgulhosa da sensibilidade da cria.
A amiga mais próxima, vizinha de porta, companheira de aventuras desde que as duas tinham um ano de idade, faria aniversário no dia seguinte. Depois de tantos anos dividindo tudo, as duas terão de se acostumar com a ideia da separação. No final do ano, a garota se muda com a família para o Exterior.
Bia, minha filha, quis preparar um presente especial. Alguma coisa que a quase irmã pudesse ver e rever, sempre que tivesse saudade ou vontade de relembrar as emoções daquela convivência. As brigas, os chamegos, o apoio mútuo, os desafios, as descobertas dos primeiros anos.
O vídeo ficou pronto naquela mesma noite. Quando sentei ao lado dela para assistir, tentei disfarçar meu coração de manteiga. Em vão, é claro. Se existe alguém que conhece meus excessos esse alguém é ela.
Meus olhos ficaram molhados logo na primeira cena. Assim que surgiu na tela o nome de sua produtora imaginária. O que vi depois do “BiaSegatto Filmes apresenta...” foi um lindo exercício de síntese. A escolha da palavra exata, da imagem exata para traduzir em pouco mais de um minuto uma história que demorou 12 anos para ser construída.
A história daqueles dois pacotinhos de gente que cresceram e estão virando adolescentes cheias de gostos, de opiniões e de uma alentadora capacidade de enxergar o outro com olhos solidários.
Escolher a palavra exata, a imagem exata, a síntese perfeita é também a obsessão do meu ofício. Persigo a simplicidade, a clareza, o essencial. A Bia, que já me ensinou tanto sobre a vida, está me ajudando também a avançar nesse objetivo profissional.
A geração dela está exposta a um bombardeio sem precedentes de informações, de estímulos visuais, sensoriais, de luxo e de lixo. Por isso mesmo, essa geração desenvolveu uma capacidade incomum de ir direto ao ponto. De pinçar o que interessa. De selecionar, classificar, resumir. É econômica na linguagem e no uso do tempo, mas não perde de vista o alvo de interesse. É a geração dos olhos de lince.  
Já pedi para a Bia me dar umas aulas com o programa novo. Vou aprender com ela a fazer vídeos, vou me exercitar na arte do despojamento, vou aparar os excessos. Essa menina me reprogramou. E a obra está inacabada. Enquanto houver vida existe a chance de reinvenção.
Sempre é possível fazer diferente. E até mesmo desafiar os limites biológicos da reinvenção. Que nos sirva de inspiração o trabalho que rendeu nesta semana o Prêmio Nobel de Medicina ao japonês Shinya Yamanaka.
Ele também é um obcecado pelo fundamental, pelo indispensável. E assim descobriu os quatro genes essenciais capazes de fazer uma célula adulta voltar no tempo. E se comportar como se fosse imatura, embrionária, com o potencial de seguir qualquer caminho, virar qualquer coisa.
Não gosto de usar a palavra “revolucionária” para me referir a criações científicas. Esse cuidado nos livra do risco de anunciar uma revolução por dia, mas a descoberta de Yamanaka realmente mudou os rumos da pesquisa biomédica. Por isso, ele ganhou um Nobel em apenas seis anos – um reconhecimento que os laureados costumam levar décadas, ou uma vida inteira, para conquistar.

Mais do mesmo ..... Diretor da Anac 'salta sem paraquedas'...



Queda livre: Anac denuncia seu diretor à Comissão de Ética

Um diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) foi denunciado à Comissão de Ética Pública pela própria agência. O corregedor-geral da Anac, Alexandre Chu Chang, cobrou da comissão a abertura de um processo de investigação contra o diretor de Aeronavegabilidade, Cláudio Passos Simão, por “violação aos preceitos da moralidade administrativa e ao Código de Ética”.
Chu Chang baseou-se em relatório da corregedoria sobre a gestão de Passos Simão como presidente substituto da Anac em março do ano passado. Segundo ele, o diretor extrapolou suas funções e assinou um ato que o beneficiou. Teria ainda usado o posto para articular sua recondução.
Se confirmadas, essas infrações acarretam punições que variam da advertência à demissão. Passos Simão não se manifestou.
Saiba mais:

O Mensalão vai servir como troféu ou como tragédia para o PT?

http://revistaepoca.globo.com/Mente-aberta/ruth-de-aquino/noticia/2012/10/nas-mansoes-do-supremo-e-do-divino.html

RUTH DE AQUINO - 12/10/2012 00h09 

Nas mansões do Supremo e do Divino




RUTH DE AQUINO  é colunista de ÉPOCA raquino@edglobo.com.br (Foto: ÉPOCA)
   Era uma manhã de sol na praia deserta de Geribá, em Búzios, bem cedo. Ano 2005. José Dirceu fazia exercícios na areia. Em forma, bronzeado. Acabara de cair da chefia da Casa Civil do governo Lula, acusado de mandante do mensalão. Perguntei, como uma banhista qualquer: “Como vai a vida, ministro?”. “Vai bem”, respondeu ele com um sorriso, “enquanto a imprensa não me descobrir aqui”.

Mesmo destituído do poder oficial, não temia cair em desgraça. Jamais suporia, em seu pior pesadelo, que sete anos depois teria de encarar a execração pública, condenado como um criminoso na mansão do Supremo. Dirceu virou Zé, um vilão do folhetim político brasileiro, o “mandante de um golpe contra a democracia”. Mas se considera uma vítima.

Na mansão do Divino, a vilã Carminha foi condenada e chamada de vagabunda. O capítulo em que a personagem de Adriana Esteves foi desmascarada coincidiu com um imenso salto de consumo de energia elétrica. Se o ápice do julgamento na mansão do Supremo era o destino de José Dirceu, na fictícia Avenida Brasil o clímax chegou antes do fim. O que acontecerá agora na novela é secundário, diante da catarse nos sofás brasileiros com a execração de Carminha, a vilã que manipulava todos, filhos, amantes, marido, parentes, empregadas, amigos e inimigos. Manipulava com propina e lábia. Comprava apoio, conspirava, iludia e dava a volta por cima. Foi quase linchada. Mas se considera uma vítima.

Tanto Dirceu quanto Carminha caíram sem abaixar a cabeça, atirando “contra a covardia moral e a hipocrisia”. O autor de Avenida Brasil, João Emanuel Carneiro, já disse que gosta de humanizar vilões, mostrar que ninguém nasce mau. Carminha repetiu mil vezes na trama: “Não sou vilã, sou vítima, vocês vão ver”. Quando percebeu que seu discurso de heroína não convencia mais, apontou o dedo para os malfeitos de toda a família. Dirceu, por enquanto, só apontou o dedo para a imprensa. Divulgou em seu blog uma carta “ao povo brasileiro”, numa clara alusão a Lula, que também escreveu, em junho de 2002, uma “carta ao povo brasileiro” como candidato do PT à Presidência da República.

No documento, Dirceu afirma que, desde 2005, “em ação orquestrada e dirigida pelos que se opõem ao PT e seu governo”, foi transformado pela mídia em “inimigo público número 1”. Na visão de Dirceu, o Supremo o condenou como corruptor e chefe de quadrilha “sob forte pressão da imprensa”. Não foi mais longe que isso. Mais uma vez, os interesses do PT e de Lula – nas eleições, e especialmente em São Paulo – se sobrepõem a seu drama pessoal, sua reputação. Internamente, no PT, não existe o vilão Dirceu. Ele é um herói das cores do Partido com letra maiúscula. Não é dedo-duro. Foi ovacionado pelos companheiros.

Oficialmente, Dirceu foi chefe da Casa Civil, mas essa era sua face palaciana e festiva. Na vida real, era muito mais – e continua sendo. O confidente-mor de Lula, seu companheiro mais querido, mais fogoso e poderoso. O guerrilheiro que mudou o rosto para não mudar as convicções. O que mentiu até para a família para continuar, clandestino, em seu país. Coisa de novela. No governo Lula, Dirceu era o braço direito do presidente, o homem forte, a eminência parda que falava grosso, o ideólogo do PT.

Agora, Dirceu foi condenado pelo Supremo como “o mandante de crimes cometidos na intimidade das organizações do governo”. Como o artífice de um projeto de poder que visava sufocar críticas e se perpetuar no Brasil. Um projeto totalitário, um golpe contra a democracia apoiado por políticos de outros partidos, “propinados e corrompidos”. É forte.
Em 2005, convencido de que suas relações e costas quentes o livrariam de um processo exemplar e épico como o de agora, José Dirceu disse textualmente sobre Lula: “Não faço nada que não seja de comum acordo e determinado por ele”.

Alguém duvida? Carlos Lessa, economista e ex-presidente do BNDES no governo Lula, afirmou ao jornal O Globo: “Lamento por Dirceu, o mais preparado e brilhante do PT. Foi onipotente, ignorou a ética na construção de apoio. O mensalão fere a democracia. Mas sou contra crucificá-lo. E Lula, claro, sabia de tudo”. Para Lula, é bom lembrar, tudo que está sendo julgado no Supremo não passa de “uma farsa”.

Na ficção de verdade, com atores pagos, os últimos capítulos deverão mostrar que a vilã Carminha teve um mestre, um modelo e um mentor: seu pai, Santiago, que posava de bonzinho na trama. A verdadeira face de Santiago é outra. Um ladrão de joias, um receptador. Bandidos entregam os objetos roubados dentro das bonecas que Santiago diz consertar.

A História dirá se Dirceu pensou e agiu sozinho ou se deve sua glória e tragédia a alguém acima dele.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Recomendo: Viva mais 100 anos // Exercício de futorologia... // Eu daqui a cem anos // Superinteressante // Rodrigo Rezende


Tecnologia

Meu dia em 2112

Tenho uma tarefa ingrata: contar um dia na minha vida para um leitor de cem anos atrás. E de forma que ele me entenda. Difícil. Naquele tempo, eles ainda usavam as mãos para escrever, acredita?

por Rodrigo Rezende
1º de agosto de 2112.

Caro leitor,

Esta matéria é para comemorar os 125 anos da SUPER. Talvez você ache que teletransporte e telepatia são hoje coisas corriqueiras. Bem que eu gostaria de teletransportar meu chefe ou ler a mente das mulheres. Pena que nada disso existe hoje. Talvez haja no futuro. Mas não ouso cravar isso. Em 2012, o pessoal da SUPER não tinha aprendido a lição da edição número 1, com os supercondutores. Tentaram prever o futuro mais uma vez. Sem sucesso, claro. Agora não vamos cair no mesmo erro. Por isso, decidimos escrever esta matéria para um leitor do passado. Para você de 2012: bem-vindo ao presente.


8h00

"Bom dia. em 2142 você Terá câncer", diz o médico que se materializa assim que entro no banheiro. Mas nem ligo. Todo dia de manhã o app médico vem com algum diagnóstico diferente. Alimentado por milhares de sensores que buscam sinais de doenças 24 horas, ele sabe tudo sobre meu corpo. Também pudera: há sensores na privada, nas minhas roupas, na cama e até no chão. Todos prontos a disparar a qualquer sinal de proteína que indique doença. Mas o câncer não me assusta porque sei que os nanobots vão dar conta do recado. Esses robozinhos menores que o ponto em cima deste "i" circulam pela minha corrente sanguínea o tempo todo, exterminando qualquer célula cancerosa. Aí em 2012 você ainda não está tão tranquilo, mas as coisas estão evoluindo. Na sua época, cientistas do Hospital de Massachusetts criaram um chip capaz de identificar câncer em 115 de 116 pacientes com a doença. Já para os cientistas em 2112, câncer é fichinha perto de outro inimigo: a gripe. Eu mesmo estou meio mal agora e não tenho muito o que fazer. As mutações do vírus da gripe continuam dando um baile na medicina.

9h30

Checo meus e-mails. Logo na primeira mensagem, meu chefe se materializa na cadeira do escritório e grita: "Quando você entrega esse texto?". Na realidade, não tem ninguém na cadeira. Se eu o vejo, é porque está dentro do meu olho. Calma. Parece esquizofrenia, mas é só tecnologia. Eu uso uma lente de contato eletrônica com acesso à internet. E a imagem do meu chefe está projetada nela. Ela tem a mesma resolução que a minha retina e simula um espaço 3D tão bem quanto meu olho. É ela que traduz instantaneamente para a minha língua o que colegas indianos e chineses falam em nossas teleconferências. E que traz meus amigos virtualmente ao bar quando saio sozinho. Em 2012, só existem protótipos dela. Um deles foi o do cientista Babak A. Parviz, que conseguiu colocar uma tela de LEDs com resolução de 8x8 dentro de uma lente de contato. Pena que não dava nem para jogar Atari nela. Outra versão foi o paleozoico Google Glass. Aí no passado foi até publicado no YouTube um vídeo com um protótipo dele.

10h15

"Preparar carro". Basta o pensamento para ele se ligar e me esperar na porta de casa. Desperdício de combustível? Nada disso. Muitas décadas depois do originalmente previsto pela primeira SUPER, os supercondutores finalmente entraram para o dia a dia. Carros, trens e ônibus agora são todos movidos por eletromagnetismo. O petróleo hoje vale menos que água. Estradas foram substituídas por trilhos para supercondutores. Mas está na hora de sair. Penso "abrir porta". A porta de casa se abre. E não é telecinese. Infelizmente, ainda dependo de um aparelho para poder acionar objetos com a mente. É o tradutor mental: um conjunto de sensores eletromagnéticos em forma de capacete que capta a atividade dos meus neurônios e interpreta exatamente o que penso. Ele se conecta à internet e comanda tudo, do editor de texto ao micro-ondas. Pois é: a neurociência avançou bastante nos últimos 100 anos. Aí em 2012 já existem formas rudimentares do tradutor mental: gente jogando videogame e macacos controlando braços mecânicos com a mente em laboratório. Mas o primeiro a usar um tradutor mental de fato foi o gênio da física Stephen Hawking. Desenvolvido por cientistas do MIT, o tradutor com a tecnologia iBrain permitiu que o físico se comunicasse mesmo depois da paralisia total no corpo.

10h30

Dirigir é coisa do passado. A onda agora é viajar parado. O carro faz tudo sozinho: estaciona, calcula o trajeto e dá a partida. Aí em 2012 você também não está muito longe disso. Foi no seu ano que o Google conseguiu licença para andar com um carro sem motorista nas ruas de Las Vegas (EUA). Atecnologia do seu tempo ainda era baseada em câmeras, radar e laser. Mas pelo menos funcionava. Já o meu carro aqui não quer sair do lugar. Será defeito de software? Checo pela lente de contato se ele está atualizado. Ok, está. Abro na lente o programa "Conserte Tudo 2112". Nada. Deve ser problema nessa maldita lente. É ela que liga o carro. E é ela que... Opa, uma moça piscando em vermelho no meu campo visual. Programei a lente para sinalizar toda vez que passar alguém compatível com o meu perfil. Pelo menos alguma coisa ainda funciona direito. Vou pedir ajuda a ela.

10h35

Meus problemas acabaram: carro arrumado. E ainda descolei o ID da lente da moça - algo como o número de celular mais perfil de Facebook em 2012. Ela me deu uma mãozinha no conserto. Agora só preciso resolver um detalhe: perdi minha mão. Dei bobeira enquanto acenava um tchau para a moça no meio do trilho supercondutor, e um carro superveloz decepou minha mão na hora. Mas tudo bem. Era biônica mesmo. Compro outra logo mais. Tinha essa mão desde os 15 anos, quando era moda trocar órgão biológico por mecânico - do mesmo jeito que era moda fazer tatuagem no século passado. Estranho? Não tanto. Aí em 2012 já tem gente trocando mão biológica por biônica - como um austríaco de 26 anos que vai amputar sua mão sem movimentos e substituí-la por uma prótese. A diferença é que hoje trocamos mãos, pernas e outros órgãos em bom estado por partes mecânicas. Afinal, elas são mais fortes e têm coordenação motora melhor. Não quer ser androide? Também não tem problema. Se perder um olho, um rim ou um pulmão, basta ir à loja de órgãos e comprar um novo. Graças à evolução da engenharia genética, agora é possível criar um órgão inteiro a partir de um punhado de células.

13h45

"Oi, moça. Tudo bem?" Assim que ela atende a ligação da minha lente, é como se eu me teletransportasse para uma cadeira dentro do ateliê onde ela trabalha. No canto do meu campo visual, vejo uma cena digna do histórico Exterminador do Futuro. Com um comando de seu tradutor mental, a moça dá ordens a um nanobot. Ele vai até uma pilha de matéria e começa a se reproduzir, tal como seres unicelulares. E, em segundos, bilhões de nanobots esculpem o bloco de matéria. Surge do nada uma obra de arte. É assim que se constroem objetos em 2112. Basta projetar um design ou fazer um download direto na internet e mandar para os nanobots. Aí em 2012 você pode achar que está a anos-luz dessa tecnologia. Mas cientistas da Intel já trabalham em um meio de montar objetos usando as propriedades de atração e repulsão na carga elétrica da matéria. Enquanto os nanobots esculpem, eu tento agilizar o meu lado com a moça: "Você conhece o restaurante do elevador espacial?", pergunto. Sem desviar o olhar da escultura, ela responde: "Não". Eu: "Quer conhecer?". Ela:"Pode ser". Eu: "Hoje às 21h00?". Ela: "Ok. Conversamos lá. Até!". De repente, a sala de casa aparece de novo na minha lente. E um sorriso aparece nos meus lábios.

21h00

Céu azul. Nuvens e mais nuvens. O elevador espacial sobe mais ou menos como um avião em 2012. Mas aí o céu vai ficando roxo. E cada vez mais escuro. Estrelas começam a aparecer. De repente, surge a Terra azul lá embaixo. Pronto: estamos no espaço. Em essência, o elevador espacial é uma haste de 100 mil km de altura fincada na superfície da Terra. Mas como um haste 8 vezes maior que o diâmetro do planeta e que alcança um quarto da distância até a Lua consegue ficar de pé? A resposta está na física e nos nanotubos de carbono. Gire uma bola de tênis amarrada a um cordão. A corda não fica fixa, esticada? O mesmo princípio é usado no elevador com a rotação da Terra. Só que a rotação da Terra é de 1 670 km/h na linha do Equador - tão rápido que estouraria qualquer cordão. A menos que ele fosse feito de nanotubos de carbono, um material 180 vezes mais duro que o aço. Ele já existe aí em 2012. Mas os cientistas ainda só conseguiam fabricar tubos de poucos centímetros. Chegamos ao restaurante, que fica em um satélite geoestacionário a 35 mil km de altura. Logo que sentamos à mesa, ela me diz: "Eu sou de câncer". E aponta para a constelação de câncer pela janela. O tradutor mental lê meu cérebro e percebe que não sei nada de zodíaco (se ainda existe até 2012 por que não continuaria existindo aqui em 2112?). Então, minha lente mostra o texto que repito: "Quer dizer que você é muito ligada à família, não é... (Ops, qual o nome dela? Aparece na lente: Renata)... Renata?" Ela me olha com cara de que ouviu palavrão. "Desculpa, Ana" - tento o segundo sopro da lente. Cara de que chupou limão. "Quer dizer, Elisa!" - o jeito é improvisar. Ela vira de lado, olha para o espaço e me deixa no vácuo. Sem saber o que fazer, vou ao banheiro. Maldita lente com defeito! No meio do caminho, lembro: Carolina! De nada adianta. Minha mesa já está mais vazia que o espaço sideral. Lá fora no mirante, Carol conversa com 2 amigos reais e 3 virtuais. No meio do restaurante, coloco a mão no olho, jogo a lente no chão e piso em cima. Essa lente só serve mesmo é para lixo espacial. Pois é, amigo de 2012. O futuro chegou. Mas a vida continua não sendo fácil.
Dá uma olhada neste vídeo e veja como provavelmente será a sua vida:
Sight from Sight Systems on Vimeo.


Para saber mais
A Física do Futuro,
Michio Kaku, Rocco, 2012

Polícia de Mato Grosso trocou tiros com bandidos do 'Novo Cangaço"

Diário de Cuiabá

   Sexta feira, 12 de outubro de 2012Edição nº 13436 12/10/2012  










MARCELÂNDIAAnterior | Índice | Próxima

Policiais trocam tiros com assaltantes

Bope encontrou cinco criminosos escondidos na mata e houve o tiroteio. Até o fechamento desta edição, não havia registro de mortes


Assaltantes de banco agiram na modalidade “Novo Cangaço” e fugiram com 6 reféns
ADILSON ROSA
Da Reportagem

A polícia acredita ter fechado o cerco ao bando que assaltou a agência do Banco do Brasil na cidade de Marcelândia (a 750 quilômetros de Cuiabá). O Bope trocou tiros com assaltantes anteontem à tarde a cerca de 70 quilômetros da cidade numa mata fechada. Não há informações de mortos, mas os policiais pediram reforço e além de PMs de batalhões próximos, policiais civis da Gerência de Combate ao Crime Organizado e da Gerência de Operações Especiais se deslocaram para o local, que está há cerca duas horas de viagem.

Segundo os policiais, caía uma forte chuva no local, dificultando o acesso. As primeiras informações dão conta que os PMs trocaram tiros com quatro ou cinco bandidos fortemente armados, alguns com fuzis iniciando um tiroteio.

“Não temos informações de ferido entre os bandidos. Os policiais estão todos ilesos, mas esse confronto deve continuar e queremos cercar o local, o que não está sendo fácil”, informou um dos policiais.

Anteontem, policiais militares do Bope localizaram o acampamento da quadrilha. No local, apreenderam um colete a prova de balas pertencente à Polícia de outro Estado, além de dois celulares, faca e mantimentos. Os objetos indicam que os fugitivos ficaram várias horas naquele local. A localização do acampamento ocorreu, por volta das 14 horas.

Segundo os PMS, foram encontrados restos de comida e também vestígios de tala de fazer curativo. Os policiais acreditam que o material foi usado no ferimento do integrante da quadrilha que está baleado. A perícia aponta que o grupo dormiu a noite de terça-feira no acampamento e fugiu no dia seguinte, abandonando alguns objetos, mas levando todas as armas.

O assalto ocorreu na terça-feira de manhã quando o bando, fortemente armado rendeu clientes e funcionários e fugiram levando seis reféns e também o dinheiro do cofre.

Policiais da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), chefiados pelo delegado Flavio Stringueta, estão em Marcelândia dando continuidade às investigações. Os policiais adiantaram que os ladrões estavam encapuzados e vestidos de camisa de manga longa, o que dificulta a identificação. (AR)